Juiz Anselmo Schotten tinha 56 anos e um histórico de dedicação à comunidade invejável. Ele deixa esposa, três filhos e seis netos. O sepultamento será hoje pela manhã, em São Luís.
Juiz Anselmo Schotten tinha 56 anos e um histórico de dedicação à comunidade invejável. Ele deixa esposa, três filhos e seis netos. O sepultamento será hoje pela manhã, em São Luís.

Zahyra Mattar
Tubarão

O falecimento repentino do juiz aposentado Anselmo Schotten, ontem, trouxe profunda tristeza à região. O magistrado tinha problemas cardíacos há cerca de dez anos. A doença, inclusive, motivou a sua aposentadoria precoce, mas apenas da magistratura. Anselmo era ativo e nunca deixou de participar da vida comunitária. Pelo contrário, era extremamente dedicado ao voluntariado, ao próximo.
Ontem, contudo, o magistrado teve um infarto. Não resistiu e faleceu no Hospital Nossa Senhora da Conceição. O corpo é velado até as 8h30min de hoje na capela mortuária Santa Terezinha, em Tubarão.

Depois, segue para a comunidade de São Luís, em Imaruí, onde haverá a missa de corpo presente, na capela da beata Albertina Berkenbrock, às 10 horas. O sepultamento, no cemitério de São Luís, ocorre em seguida, às 11 horas.
Contador e advogado, Anselmo era irmão do ex-prefeito de São Martinho, José Schotten (PP). Atuou, por anos, como contador da empresa tubaronense GAM. Depois, foi responsável pelo setor jurídico da empresa, cargo hoje ocupado por seu filho mais velho, Anselmo Schotten Júnior.

Casado com a atual presidenta da Associação das Voluntárias da Maternidade do HNSC, Norma Schotten, o magistrado era um pai e avô dedicado. Ele teve três filhos e seis netos. Anselmo foi um dos responsáveis pela implantação do fórum de Tubarão.
Foi convidado inúmeras vezes para assumir como desembargador do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJ/SC), mas sempre recusou porque não queria deixar a região, para a qual se dedicava com afinco.