Wagner da Silva
São Ludgero

Mais um encontro ocorreu em São Ludgero para discutir o que pode ser feito para reduzir o número de animais de rua no município. Para o próximo ano, uma parceria entre a prefeitura e a Unibave, de Orleans, poderá ser a saída para minimizar o problema. A sugestão foi apresentada pelos professores Lisandro Coelho e Guilherme Valente de Souza, representantes dos cursos de agronomia e medicina veterinária da Unibave, respectivamente.

Eles mostraram os resultados obtidos em Içara, onde também mantêm uma parceria com o executivo. Em São Ludgero, não há nenhuma informação sobre o número de animais que vivem nas ruas. Este, inclusive, será o primeiro passo para buscar uma solução. O levantamento contará com a ajuda das agentes comunitárias.

O próximo passo será trabalhar a conscientização das pessoas quanto à posse responsável. “Este trabalho deve ser iniciado nas escolas, com as crianças, pois elas têm maior facilidade de absorver os ensinamentos e colocá-los em prática. Além disso, os filhos conseguem persuadir os pais e fazer com que eles adotem outra postura”, considera o professor Guilherme.

Conforme a proposta da Unibave, a instituição de ensino ficará com a coordenação do projeto e as ações práticas a serem desenvolvidas. Já à prefeitura, caberá oferecer apoio na construção do Hospital Médico Veterinário, cuja obra é prevista para iniciar no próximo ano.
Uma comissão, formada por membros da administração, vereadores, entidades e comunidade deverá ser formada até o dia 23 de fevereiro, quando está agendada uma outra reunião para tratar do cronograma de ações a serem colocados em prática em 2010.

Canil não será criado

Contrário à criação de um canil, a proposta para trabalhar a posse responsável de animais de estimação em São Ludgero foi bem recebida pelos gestores municipais e vereadores participantes da reunião com os representantes da Unibave. “Trabalhar a educação é ponto crucial para conseguirmos minimizar este problema que crescente na cidade”, avalia o prefeito de São Ludgero, Ademir Gesing (PMDB), o Gogo.

Segundo ele, a identificação dos animais é o mais necessário no momento. O documento garantirá que o proprietário do animal abandonado seja localizado e punido conforme a lei. “É uma forma rígida de conscientização, mas que surtirá efeito. Infelizmente, temos que atingir o bolso das pessoas para que elas passem a raciocinar diferente”, argumenta o prefeito.

A cidadã Carla Cristine DePieri, autora de um abaixo assinado, cujo intuito foi reivindicar uma solução para o problema no município, concorda com o posicionamento do prefeito. “Muitas pessoas reclamam e pedem a construção de um canil, mas o local, com o tempo, poderá transformar-se em um depósito de animais, o que é pior. Ações em conjunto trazem melhor resultado”, pontua.