Zahyra Mattar
Tubarão

O vice-prefeito de Tubarão, Fellipe Luiz Collaço (PP), o Pepê, garantiu ontem que tentará formular um plano de ação para resolver o caso do homem que reside há 15 dias em um dos vãos do Centro Municipal de Cultura, no centro da cidade. Bastante solícito, Pepê prometeu que conversará com a secretária de assistência social, Vera Stüpp, para que sejam disponibilizadas uma assistente social e uma psicóloga a fim de formarem um grupo de ação.

Pepê concorda que o homem não pode ser retirado à força de onde está. A própria lei não permite isso, mas ele admite que fica feio para a cidade, conhecida no estado como uma das mais solidárias, ficar inerte ao problema. “O caminho é acionar a assistência social. Tenho certeza que encontraremos uma solução. Vamos tentar convencer este homem a aceitar ajuda. Tubarão não tem uma estrutura adequada para atender a população de rua, mas pode, e vamos conseguir outros mecanismos para ajudar”, afirma Pepê

Na manhã de terça-feira, o homem dormia envolto em um único cobertor na casa de papelão que construiu anexa ao museu. A temperatura estava em torno de 7° C. A cena chamou a atenção de quem passava para trabalhar. O secretário de segurança e trânsito, João Batista de Andrade, já colocou integrantes da Guarda Municipal de Tubarão à disposição da secretaria de assistência social para auxiliar na retirada do homem do museu.

A ideia do vice-prefeito é conversar com o homem e convencê-lo a ir para o Desafio Jovem, cuja instituição é conveniada com a prefeitura, para buscar tratamento. “Quem sabe podemos resolver da mesma forma quando surgiu o outro andarilho. Ele recobrou a consciência e conseguimos mandá-lo para casa”, explica Pepê, em referência ao caso de 2006, do cidadão paulista Jairo Oliveira Silva, que andava pelo centro da cidade com o rosto coberto por graxa.

O projeto
Conforme a secretária de assistência social da prefeitura, Vera Stüpp, disse ao Notisul na última entrevista, no dia 25 de maio, ainda neste semestre o executivo enviará para a câmara de vereadores um projeto para firmar um novo convênio com o albergue noturno Pousada da Paz.

A ideia é expandir o funcionamento do local. “Eles somente abrem durante a noite. Queremos um espaço que funcione também no período em que a secretaria de assistência social não está aberta. Não é o ideal, mas é o viável neste momento”, explicou a secretária na ocasião.

Após esta data – e justamente por conta desta matéria – ela não atende mais as ligações da redação. Ontem, inclusive, foi feita uma tentativa, mas seu telefone estava desligado.