Tubarão

Quem viu a desenvoltura de Maicon Oliveira de Sousa, os resultados apresentados e os três troféus que ele levou para casa no Troféu Curitiba de Fisiculturismo e Fitness, não poderia imaginar que aquela era apenas a primeira participação do tubaronense em uma competição. Mais que isso. Não imagina a luta dele para chegar no lugar mais alto do pódio.

Maicon era uma pessoa acima do peso. Fumava e bebia com frequência. Além disso, sofria bullying por ser “gordinho”. Até que resolveu mudar de vida. Entrou em uma academia e pegou gosto. Ajustou a alimentação, e conforme viu os resultados, nasceu o sonho de ser um atleta fitness.

“Nas últimas semanas, a família foi a parte mais importante na preparação dele, devido a alimentação restrita treinos intensos. Ele já quase não tinha forças, então falava com a avó, ou a mãe, pai, irmã, tio. Nossa filha vinha e dizia para ele, que ele já era um campeão para ela e isso dava mais motivação para continuar a acordar às 6 da manhã para correr em jejum e depois ir trabalhar na solda, serviço pesado, quente. Voltava para casa e ia para a academia, para mais cardio. Foi intenso, mais valeu a pena”, revela Camila, a esposa de Maicon, que o acompanhou em todo o processo, inclusive na viagem a Curitiba, quando conquistou os três troféus.

Vitória

Como nada havia sido fácil para eles, a própria viagem até a capital paranaense foi difícil. Percorreram os quase 430 quilômetros entre as duas cidades, 6 horas na estrada, debaixo de muita chuva.

A intenção, como era apenas a primeira competição de Maicon, era garantir ao menos uma medalha, um terceiro lugar já era considerado uma vitória. Mas o resultado surpreendeu a todos.

Maicon ficou com o primeiro lugar na categoria culturismo clássico (até 1,75m), na games classic (que irá para as Olimpíadas) e ainda levou o título no Overall, que engloba os primeiros colocados em altura e peso diferentes. Pode-se dizer que Maicon voltou para casa como o campeão dos campeões.

“É muito gratificante. Vi que todo esforço que tive não foi em vão. Apesar de poucas, tive pessoas que me incentivaram e não me deixaram ceder em momentos de fraqueza. Me sentia as vezes meio frustrado de me dedicar tanto e não ter reconhecimento, mas o mais importante foi a satisfação pessoal, a conquista de algo que eu achava que era inalcançável. É possível e eu consegui. Isso é demais”, revela o campeão.

Motivação

Os troféus conquistados em Curitiba motivaram Maicon a seguir treinando com força e aumentar ainda mais a coleção. E um objetivo agora é elevar ainda mais o nome de Tubarão no fisiculturismo, além de tirar a imagem ruim que algumas pessoas tem do esporte.

“O esporte precisa ser mostrado, ainda mais a parte do amor recebido, apoio que a família deu e todo carinho da parte de amigos conhecidos. Atleta fisiculturista não é monstro, não é raiva, nem violência. É um esporte de dedicação, controle e abdicação, e sozinho, sem amor não consegue sair do lugar”, completou Camila.