Setenta e cinco morreram no acidente aéreo  -  Fotos:Divulgação/Notisul
Setenta e cinco morreram no acidente aéreo - Fotos:Divulgação/Notisul

La Ceja del Tambo, Colômbia

O avião que transportava a delegação da Chapecoense a Medellín, na Colômbia, para o jogo de ida da final da Copa Sul-Americana, contra o Atlético Nacional, caiu na madrugada de ontem (1h30min no horário de Brasília) quando se aproximava do Aeroporto José María Córdova, em Rio Negro. Conforme representantes da  Aviação Civil colombiana, 75 pessoas morreram. Seis sobreviveram à queda: os jogadores Follmann, Neto e Alan Ruschel, o jornalista Rafael Henzel e os tripulantes Ximena Suárez e Erwin Tumiri.

Entre os sobreviventes confirmados, o lateral Alan Ruschel está em estado crítico. Ele sofreu uma fratura em uma vértebra da coluna, passou por cirurgia e corre o risco de ficar paraplégico. Já a respeito do goleiro Follmann, segundo dirigentes do Hospital San Vicente, onde ele está internado, não confirmaram, até ontem à noite, a informação de que ele teria sofrido a amputação de uma perna.

O zagueiro Neto foi o último a ser resgatado com vida do local do acidente e chegou em estado grave ao hospital, com traumatismo craniano e fraturas expostas. Ele passou por diversas cirurgias. O goleiro Danilo, que também tinha sido resgatado com vida, morreu horas depois. O processo de identificação dos corpos das vítimas deve durar três dias.

As investigações sobre os motivos da queda do avião ainda estão em estágio inicial. As principais hipóteses são que a aeronave tenha ficado sem combustível ou que tenha sofrido problemas elétricos.

De acordo com o diretor da Aviação Civil colombiana, Alfredo Bocanegra, o registro da comunicação do avião com funcionários de aviação da Bolívia sugere falha elétrica. Porém, segundo o depoimento de Ximena Suárez, uma das tripulantes sobreviventes, a falta de combustível teria sido o problema.

A empresa aérea que transportava a delegação é a Lamia, da Bolívia. Segundo a direção da Aviação Civil boliviana, a aeronave foi inspecionada no aeroporto de Viru Viru, em Santa Cruz de la Sierra, antes do embarque da Chapecoense, e não apresentou problemas.


Imagem do local da queda do avião

Atlético Nacional pede que Conmebol declare Chapecoense campeã
A diretoria do Atlético Nacional solicitou à Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol) que a Chapecoense seja considerada campeã da Copa Sul-Americana. As duas equipes fariam hoje o primeiro duelo das finais.

"Por estarmos muito preocupados com a parte humana, pensamos no aspecto competitivo e queremos publicar este comunicado onde o Atlético Nacional pede à Conmebol que o título da Copa Sul-Americana seja entregue a Chapecoense como homenagem à sua grande perda e em homenagem póstuma às vítimas do acidente fatal que deixou o esporte em luto. De nossa parte, e para sempre, Chapecoense: Campeão da Sul-Americana de 2016", apresenta a nota do time colombiano.

O voo que transportava o elenco da Chape rumo à Colômbia caiu a poucos quilômetros do aeroporto José Maria Córdova. Até o momento, 76 pessoas morreram, segundo a polícia colombiana, dentre eles 19 jogadores do time catarinense.

O elenco da Chapecoense viajou a Colômbia para o jogo mais importante da história do clube. A equipe de Chapecó havia eliminado nas semifinais o San Lorenzo, após empate heroico em Santa Catarina e que teve o goleiro Danilo como grande destaque.

A decisão do Atlético Nacional ocorre em um período sublime do time colombiano. O Nacional é o atual campeão da Libertadores, o primeiro título do clube na competição.

Clubes devem ceder atletas a Chapecoense
Além disso, os presidentes de diversas equipes brasileiras pedirão à CBF que o clube não seja rebaixado pelos próximos três anos. #ForçaChape

Chapecó

Os principais clubes brasileiros iniciaram um movimento para reerguer a Chapecoense após o trágico acidente aéreo que vitimou 75 pessoas na madrugada de ontem. Embora a prioridade seja a de prestar todo o apoio aos familiares, discussões em relação ao futuro esportivo do clube catarinense estão em curso.

Os departamentos jurídicos dos clubes estão em negociação e uma nota foi divulgada. A cessão de jogadores sem custo para a temporada 2017 foi definida. Os clubes também sugeriram que a Chapecoense não seja rebaixada nas próximas três edições do Campeonato Brasileiro caso termine entre os quatro últimos colocados.

Todos os principais clubes se manifestaram sobre a tragédia. A direção da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) acompanha tudo com o diretor geral de competições, Manoel Flores. Internamente, o discurso na entidade é de que não é um assunto para ser tratado neste momento.

Até o momento, Flamengo, Corinthians, Palmeiras, São Paulo, Santos, Portuguesa, Joinville, Coritiba, Vasco, Cruzeiro, Fluminense e Botafogo aderiram ao movimento.

“Trabalhando unidos, nós, presidentes de clubes do futebol brasileiro, para a Chapecoense voltar com galhardia a disputar as competições do futebol brasileiro. Estou propenso a conversar com os outros clubes para que desenvolvamos um projeto para emprestarmos jogadores de bom nível para que eles possam disputar as competições de 2017”, declarou o presidente Gilvan de Pinho Tavares.

A tragédia com a delegação da Chapecoense abalou o mundo do futebol. Por meio das redes sociais, clubes brasileiros e do exterior, entre eles Barcelona, Arsenal, Chelsea e Benfica mandaram mensagens de apoio ao clube catarinense. Astros como Messi e Neymar também se manifestaram nas redes sociais.

O Palmeiras anunciou que pedirá para atuar com a camisa da Chapecoense na rodada final do Brasileirão. O Corinthians quebrou uma tradição ao pintar o seu próprio site e suas redes sociais de verde para homenagear as vítimas. Normalmente, o clube proíbe o uso da cor por causa da rivalidade com o Palmeiras.

 


Flores são colocadas nas redes de um dos gols da Arena Condá, em Chapecó 

CBF confirma paralisação de futebol e define nova data da final da Copa do Brasil
O secretário-geral da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Walter Feldman, confirmou, ontem, a paralisação do futebol brasileiro por causa da tragédia que envolveu a Chapecoense. Conforme o dirigente, nenhuma partida será realizada por sete dias. A confederação também reorganizou o final do calendário de 2016, com o adiamento de uma semana para a final da Copa do Brasil e da 38ª rodada do Brasileirão.

“Não há clima, são todas as atividades. Estamos concentrados apenas na ajuda à Chapecoense. E sabemos que todos os clubes estão assim. Uma semana sem nada. E nada a pensar fora disso. O evento da próxima segunda-feira, quando seria revelado os melhores do Brasileirão, também foi cancelado”, assegurou Feldman.

Em seu site oficial, a CBF informou que a decisão da Copa do Brasil será na quarta-feira da próxima semana, às 21h45min, na Arena do Grêmio. A rodada derradeira do Brasileirão está marcada para o dia 11, com todos os jogos começando às 17 horas.

Outro evento que teve a sua data alterada foi a decisão da Copa do Brasil sub-20, entre São Paulo e Bahia. Ela será realizada no dia 8, quinta da próxima semana, às 21h15min.