Marco Antonio Mendes
Tubarão

Visivelmente abatidos, os jogadores do Atlético Tubarão iniciaram sozinhos o último treino antes do confronto com a Chapecoense. Sem técnico, sem preparador físico e de goleiros, os atletas trabalharam por eles mesmos. “A gente tem que levantar a cabeça e seguir em frente”, afirmou o zagueiro Marco Lima.
Para a partida no oeste do estado, neste domingo, às 17 horas, os jogadores percebem que mais do que nunca a responsabilidade está nas costas deles. “A nossa intenção é fazer com que os atletas mais experientes auxiliem os mais jovens. Temos que fazer de tudo para recuperar a derrota que tivemos na última quarta-feira e aliviarmos um pouco mais esta situação”, conta o atacante Fábio Bala.

Na quinta-feira, o treinador Marcelo Cabo pediu dispensa do time após ter colecionado quatro derrotas apenas neste primeiro turno. Além desta justificativa, o ex-comandante revelou os problemas na estrutura oferecida pelo clube.
Com ele, toda a comissão técnica demitiu-se. Apenas o auxiliar-técnico Rodolfo Oliveira continuou. Ele ficará no comando interinamente até um novo treinador ser encontrado. Porém, até o início dos trabalhos da tarde desta sexta, ele não sabia da nova responsabilidade. “Estão falando que comandarei o time, mas ainda não sei de nada”, disse.

Após uma reunião no meio do campo entre Rodolfo, o diretor de futebol Robertinho Rodrigues e o gerente de futebol Fábio Araújo, ficou decidida a sua permanência, pelo menos, até este domingo.
O Atlético Tubarão, em nono lugar, com apenas quatro pontos, não poderá contar com o atacante Allan, por seu terceiro cartão amarelo. A Chapecoense, em sétimo, vem pressionada por uma vitória após ser derrotada pelo Criciúma, quarta-feira.

Atletas pedem dispensas e diretor lamenta situação

Thiago Bastos, Pedrinho, Aryston e Júlio César pediram para deixar o Atlético Tubarão, em meio à crise que o clube passa. Segundo o atacante Pedrinho, não há condições de ficar em um time que ameaça a não efetuar o pagamento dos salários dos atletas e funcionários. “Não ficarei em um lugar que me traz dúvidas. Tenho outras propostas. Chegaram a dizer para a gente que pagarão alguns jogadores e outros não”, revela.

A versão da diretoria é diferente. O diretor de futebol Robertinho Rodrigues garante que os salários serão pagos no início da próxima semana. “Eu que contratei os atletas, então, eles estão sob minha responsabilidade. Se eu disse que vou pagá-los, farei isso. Nem que eu tenha que pagar do meu bolso”, garante.
Completamente abatido e angustiado, o diretor diz não aguentar mais a situação. “A cidade quer ter futebol? Por que ninguém ajuda? Fico contente ao ver o bom número de pessoas que vão ao estádio, mas isto não basta. Precisamos de dinheiro. Apenas teremos vitória se tivermos um bom time e, para isto, temos que investir”, salienta.

Ex-Grêmio estreia neste jogo

A Chapecoense entra em campo com uma novidade, neste domingo, contra o Atlético Tubarão. O lateral Anderson Lima, ex-Grêmio, estreará na zaga, no lugar de Anelka, suspenso pela expulsão na derrota para o Criciúma.
Anderson Lima chegou ao clube no último dia 26 dizendo que já está adaptado à função de zagueiro, posição em que atuava nos últimos anos.

“Comecei jogando assim (na zaga) no Coritiba. De 38 partidas, joguei 34 como capitão. Isso foi altamente importante porque me adaptei nessa função. Hoje ajudarei e renderei ali atrás, como líbero, não como ala mais”, explicou o atleta.
Ao longo de sua carreira, ele também já passou por Guarani, Santos, São Paulo, São Caetano e Coritiba.