Tubarão

Se no clássico da primeira rodada, o encontro entre Atlético Tubarão e Hercílio Luz representava inúmeras possibilidades para os clubes dentro do Campeonato Catarinense, no jogo deste fim de semana, que abre o returno da competição, ele vale a sobrevivência. Com as duas equipes em situação delicada na tabela, somente a vitória interessa para os dois times.

O jogo marcado para o domingo, às 19h, no estádio Aníbal Costa, colocará frente a frente não apenas os dois clubes de Tubarão, mas dois times que lutam para permanecer na primeira divisão. Dono da casa, o Hercílio Luz ocupa a oitava posição com os mesmos seis pontos do Metropolitano, que abre a zona de rebaixamento, vencendo nos critérios de desempate. Já o Tubarão segue na lanterna da competição, com cinco pontos conquistados em nove jogos. Quem sair de campo com os três pontos, garante um lugar fora do Z-2.

O jogo também marcará a estreia dos novos treinadores. Oliveira Canindé e Gilberto Peireira, chegaram para melhorar as coisas para Leão do Sul e Peixe, respectivamente.

O Hercílio Luz espera registrar o melhor público no Aníbal Costa neste Catarinense. Tanto que fez uma promoção de ingressos. Até este sábado, as entradas para o setor descoberto custarão R$ 20 (meia por R$ 10). No dia do jogo, os ingressos custarão R$ 40 tanto a arquibancada coberta, quanto a descoberta (R$ 20 a meia). As cadeiras vão custar R$ 80 (R$ 40 a meia). 

Para a torcida do Peixe, o setor visitante terá ingressos a R$ 40 (R$ 20 a meia). Foram disponibilizadas 680 entradas.

Ambientado aos clássicos

As três derrotas seguidas acenderam o sinal de alerta no Hercílio Luz. Sem o técnico China Balbino, que pediu demissão após a partida com o Marcílio Dias, no último domingo, o Leão do Sul foi atrás da experiência de Canindé Oliveira.

Com uma extensa carreira no futebol nordestino, o novo técnico hercilista garantiu que não tem medo de clássico. “É tranquilo. Estou bem acostumado com clássicos, com dificuldades. Acho que é especial, como se fosse um jogo à parte, mas é bem interessante e bem empolgante. Isso instiga muito a nos fortalecermos como equipe, como conjunto para tirarmos forças e conseguirmos superar um adversário tão difícil como o Tubarão. O clássico te dá um norte. Vencendo, olha para frente e vê muitas coisas boas que podem vir do resultado positivo”, afirmou.

Mesmo com pouco tempo de casa (chegou na quarta-feira), Canindé afirmou que conhece a maior parte do elenco do Hercílio Luz. “Estou totalmente ambientado. Conheço muitos dos atletas que aí estão, de jogar contra, outros trabalharam comigo. Estou muito contente também por estar aqui. Gosto da cidade, é maravilhosa. Não é uma cidade grande, mas que recebe”, destacou.

Canindé também conhece o técnico rival deste domingo. “Ele tem uma rodagem muito grande no futebol goiano, embora tenha passado por outras equipes do futebol brasileiro. Um treinador muito responsável. Bem inteirado do que acontece no futebol hoje. Temos que tomar os nosso cuidados em cima das possíveis inovações táticas, embora não tenha como mudar muito pelo que nos vimos dos últimos jogos do Tubarão. O Beto (Almeida) vai passar as informações e ele vai procurar utilizar da melhor maneira possível. São duas cabeças pensantes. É um jogo de seis pontos. Nós precisamos vencer e eles também precisam”, revelou.

Para o jogo de domingo, Canindé terá força máxima. Ele poderá contar com o retorno do volante Rudnei, que cumpriu suspensão no último fim de semana. 

Vitória pode mudar tudo

Gilberto Pereira já acompanhou de perto o Peixe na vitória sobre o Joinville, na quarta-feira, mas o dérbi será o primeiro jogo dele no comando da equipe. E além do time que conquistou a primeira vitória, ainda terá o reforço do atacante Edu, apresentado na sexta-feira e que já está regularizado.

“Clássico é o jogo mais gostoso de se jogar. O jogo que qualquer jogador que enfrentar na carreira. Ainda mais na situação que eu estou chegando, na estreia, o clube na situação que está. Acho que o clássico pode ser a reviravolta do ambiente de qualquer clube”, afirmou o atleta que estava disputando o Campeonato Carioca pelo Nova Iguaçu.

Para o novo comandante tricolor, o clássico tem um sabor especial, mas na situação atual da equipe, todos os jogos devem ser encarados como decisões. “Sempre quando é clássico, pode ser aqui ou em qualquer outro lugar, tem uma conotação diferente e isso significa muito para o torcedor e imprensa. Temos que fazer finais. Não apenas jogos. Precisamos trabalhar internamente nossa equipe. Juntar todos. O jogo em si, já é para o próprio elenco, um jogo diferente. Eles tem que entender isso. E como são decisões, para nós, o mais importante vai ser o próximo. E por coincidência, vai ser o clássico da cidade. Não é só ganhar, é também ultrapassar o adversário. Cada jogo tem um fator diferenciado, e nesse, precisamos manter esses adversários que a gente busca, próximos de nós”, afirmou Gilberto. 

Caso vença, o Peixe ultrapassa o Hercílio Luz e deixa a zona de rebaixamento. “É um aditivo a mais para o clássico ter duas equipes em momentos difíceis. Além da rivalidade tem a pontuação mesmo. E o futebol é engraçado. Em uma semana estamos em último. E em quatro dias, podemos ultrapassar esse adversário. Podemos sair da zona de rebaixamento com duas rodadas e começar a pensar em outras coisas”, completou o treinador.