Wagner da Silva
Braço do Norte

Na sexta-feira, a pesquisa publicada pelo Notisul já dava o tom de como seria a eleição para a escolha do prefeito e vice de Braço do Norte. A quantidade de indecisos era alta (23,8% na questão espontânea e 16% na estimulada). E foi na busca destes eleitores que os candidatos a prefeito Evanísio Uliano (PP) e Valberto Michels (PT), a vice, trilharam a vitória ontem.

Em uma eleição que já faz parte da história de Braço do Norte, a coligação Braço do Norte em Boas Mãos (PP, PT e PR) elegeu a dupla com 51,71% dos votos válidos (9.143 votos). A coligação adversária, Com a Força do Povo (PMDB, DEM, PTB, PDT, PRB, PPS e PSB), que tinha como candidata à prefeitura Zalene Niehues Matos (PMDB) e como vice Charles Bianchini, obteve 8.572 votos (48,29%).

A diferença entre o primeira e a segunda colocada foi de 606 votos (3,42%). Dos 20.175 eleitores de Braço do Norte, 18.143 compareceram às urnas (2.032 – 10,18% – abstiveram-se). Do total de eleitores, 189 votaram em branco, enquanto outros 204 anularam. Durante as parciais, mesmo em vantagem, Vânio aparentava estar agitado, mas preferiu a cautela e não falou nos números.

Depois que a justiça eleitoral confirmou a vitória, ele e a cidade caíram em festa. Nem mesmo a forte chuva que caiu logo após o anúncio atrapalhou a comemoração dos eleitores, que se aglomeraram em frente à casa do agora prefeito de Braço do Norte.
Após o ‘duelo de Titãs’, Vânio estava mais calmo e comentou brevemente o resultado das urnas. “Ela (Zalene) mostrou a força das mulheres em uma eleição. Batalhamos de igual para igual. Zalene merece todos os elogios e o meu total respeito. Mas, agora, o momento é de festejar. Só tenho a agradecer ao povo que acreditou em nossa proposta”, destacou o prefeito eleito.

Há muitos anos à frente da Cerbranorte, Vânio ainda não definiu qual será o seu destino na cooperativa. “Ainda não sei se largo (a cooperativa)”, disse. A solenidade de posse de Vânio de Michels está marcada para o dia 16 deste mês. Atualmente, o presidente do legislativo, o vereador Ronaldo Fornazza (DEM), está no cargo, de forma interina, desde o dia 1º de janeiro.

Coligação derrotada comenta o resultado

A candidata derrotada nas urnas ontem, Zalene Niehues Matos (PMDB), não saiu completamente abatida do pleito. Ela não confirmou se voltará a concorrer a algum cargo público, mas disse ter gostado da experiência. A peemedebista enfatizou que espera o cumprimento das promessas feitas pela dupla adversária, Vânio Uliano (PP) e Valberto Michels (PT). “Espero que (eles) cumpram as promessas e que Braço do Norte volte a crescer”, torce.

O vice da coligação, Charles Bianchini (DEM), enalteceu a democracia e acredita que não houve derrota. “Em uma eleição sempre há vencedores. Perdemos o cargo, mas todos ganhamos a democracia. Foi uma boa experiência”, comemora. Ele diz ainda que não desistirá de novos pleitos por ter perdido neste. “Acredito que a cidade vale muito mais que questões políticas. Pude conhecer os vários problemas de Braço do Norte e espero poder contribuir para o desenvolvimento do nosso município”, completa.

Temperatura e clima quentes durante o pleito

Durante todo o dia, o sol e calor forte castigaram os 18.143 eleitores que foram às urnas. Após o fechamento das urnas, às 17 horas, a justiça eleitoral precisou de apenas 40 minutos para enviar os dados ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE). Uma hora depois, o resultado final foi divulgado. “Quatro urnas apresentaram problemas, mas nada que tenha atrapalhado o andamento do processo eleitoral”, avalia o chefe do cartório em Braço do Norte, Adriano Machado Luciano.

Além da temperatura, o clima da disputa também esquentou em vários momentos. No colégio Dom Joaquim, o maior e principal local de votação no município, no centro da cidade, o chefe do cartório teve que intervir e dispersar membros de ambos os partidos que faziam boca de urna.
Em outros casos, as manifestações mais exaltadas precisaram ser contidas pela força policial. (Leia mais na página 15 desta edição).