Zahyra Mattar
Tubarão

Quem nunca precisou de ajuda do Corpo de Bombeiros de Tubarão – ou de qualquer município – pode até dar um suspiro de alívio. É sinal de que nunca passou por uma situação extrema. Porém, mesmo quem nunca precisou desses verdadeiros heróis tem a mesma opinião: a instituição é essencial na cidade. É impossível imaginar um município do tamanho de Tubarão sem eles.

Desde a casa em chamas, até um cachorro bravo que invade um empresa. Os bombeiros são sempre os primeiros a serem acionados. E, na hora do apuro, ver aquele caminhão (ou ambulância) chegando rapidamente não tem preço. Esta visão sobre os bombeiros não é à toa ou exagerada. A instituição, conforme pesquisas nacionais feitas por agências renomadas como o Datafolha, é tida pela população brasileira como a de maior credibilidade.

Entretanto, em Tubarão, o 8º Batalhão de Bombeiro Militar (8ºBBM) viu-se em um terrível mal entendido. Desde 2003, uma lei municipal, a 2.792, criou o Fundo Municipal de Reequipamento do Corpo de Bombeiros (Fumrebom). A taxa, irrisória, era cobrada apenas de estabelecimentos industriais e comerciais. Por ano, rende aproximadamente R$ 130 mil. Em Laguna, a cobrança existe há mais tempo e rende R$ 150 mil aos bombeiros de lá. O mais importante disso é que este dinheiro é totalmente investido na própria cidade.

Há cerca de três anos, o comandante do 8º BBM, major Carlos Moisés da Silva, pede para que a cobrança seja estendida também para residências. Isto poderia incrementar um pouco mais a arrecadação (algo em torno de R$ 250 mil). O problema é que criou-se uma polêmica em torno do assunto. A cobrança não é ilegal e ocorre em todas as 89 cidades catarinenses onde o Corpo de Bombeiros está presente.

Valor da taxa é irrisório e traz vários benefícios à população

Os carnês do IPTU, que começam a chegar hoje, já virão com o valor da taxa, R$ 8,19, incluso (apenas consta no mesmo boleto. Não está embutido no valor do IPTU). A quantia é anual. Seria o mesmo que o cidadão pagasse R$ 0,6825 por mês. “Esta taxa é reflexo de pedidos de vários cidadãos que queriam contribuir, mesmo que fosse pouco. Considero o valor irrisório diante dos benefícios à cidade. Além disso, é importantíssimo para nós. Conseguimos comprar vários equipamentos com estes recursos. E tudo fica para a cidade”, reforça o comandante do 8º Batalhão de Bombeiros Militar de Tubarão, major Carlos Moisés da Silva.

A presidenta da Associação das Donas de Casa e Consumidores (Adocon) de Tubarão, Reneuza Borba, é favorável à taxa. “Acredito que as pessoas devem ter estranhado por causa do nome. Quando se fala em taxa, automaticamente associa-se a mais um imposto. Mas, quando explico que é para o bombeiro, todo mundo faz questão de pagar e pergunta se não dá para pagar duas vezes”, confere a presidenta.
Além da irrisória taxa no carnê do IPTU, o cidadão que desejar fazer outra contribuição pode efetuar depósito diretamente na conta do Fumrebom: Besc, agência 029, conta corrente 058639-9.