Autoridades do Ministério da Integração Nacional decretaram ajuda a Tubarão e região na tarde de ontem, em visita ao governador Raimundo Colombo, na capital catarinense (Foto: Ministério da Integração Nacional/Divulgação/Notisul)
Autoridades do Ministério da Integração Nacional decretaram ajuda a Tubarão e região na tarde de ontem, em visita ao governador Raimundo Colombo, na capital catarinense (Foto: Ministério da Integração Nacional/Divulgação/Notisul)

Rafael Andrade
Tubarão

Após a assinatura do decreto de emergência em Tubarão, Capivari de Baixo e Imbituba, devido aos ventos que chegaram a 220 km/h, conforme uma leitura do anemômetro – aparelho instalado em cima da torre eólica na Engie – a média do vento no domingo ficou em 122 km/h, a rajada mais forte (de 220km/h), foi registrada às 16h10min, e provocaram uma sére de avarias, o governo federal anunciou, ontem, uma série de ações para minimizar os transtornos, principalmente dos tubaronenses.

Estava prevista a vinda do ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho, na Cidade Azul, mas devido ao tempo chuvoso, o avião quee trazia o representente do presidente Michel Temer (PMDB), não pôde pousar na região. A coletiva então programada com Barbalho e com o governador Raimundo Colombo (PSD) ocorreu em Florianópolis. Teve participação do prefeito eleito de Tubarão, Joares Ponticelli, e integrantes da Defesa Civil do Estado e nacional. Foi  definido um pacote de ajuda federal às vitimas dos temporais que atingiram mais de seis mil pessoas em  Santa Catarina. "Recebi um telefonema do presidente da República, Michel Temer, que está no Japão. Ele nos recomendou atenção especial a esses episódios na região Sul do país", destaca o ministro.

Durante a reunião na capital barriga-verde, ficou decidido que o Ministério da Integração Nacional vai agilizar o reconhecimento federal dessas cidades por meio dos decretos de situação de emrgência. Uma das medidas anunciadas foi a viabilização da liberação de Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) para trabalhadores que tiveram suas casas atingidas.

Os governos Estadual e dos municípios farão o levantamento dos danos e apresentarão suas demandas à Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil (Sedec/MI), que pode ajudar na assistência imediata às famílias atingidas com o imediato envio de ajuda emergencial, como kits de alimentação, de limpeza e de higiene pessoal, por exemplo.

“A partir daí, junto com o governo do estado faremos a homologação imediata. Nosso objetivo é garantir celeridade aos processos e assegurar que a resposta chegue o quanto antes aos cidadãos catarinenses. A equipe da Defesa Civil Nacional está de plantão para rapidamente fazer o reconhecimento federal e efetivar as ajudas às prefeituras”. O ministro também anunciou que está em negociação com Banco Nacional de Desenvolvimento (BNDES), por meio do diretor Ricardo Ramos, para a abertura de linhas de crédito de financiamento. O objetivo é que as empresas e indústrias, que tiveram suas instalações afetadas, possam conseguir financiamento.