Cíntia Abreu
Tubarão

O número de carros em Tubarão cresce consideravelmente. Consequentemente, o fluxo do trânsito também aumenta. O fato causa certa preocupação por parte da população e da secretaria de trânsito de Tubarão, já que alguns semáforos da cidade são defasados, quando comparados com os de outros municípios.
No bairro Oficinas, encontram-se as sinaleiras mais antigas da cidade. Os da avenida Altamiro Guimarães são do ano de 1969. “Hoje, temos somente três mais recentes. O restante tem uma defasagem de dez anos”, reconhece o secretário adjunto de segurança e trânsito da prefeitura, Adolfo Pinter.

Na tarde de ontem, na prefeitura de Tubarão, representantes do setor de engenharia de trânsito, da Guarda Municipal, o prefeito Manoel Bertoncini, o secretário de segurança e trânsito, João Batista de Andrade, reuniram-se com técnicos da empresa paulista Tesc Sistemas de Controles, que apresentaram um novo modelo de central de transmissão de dados semafóricos, capaz de monitorar minuto a minuto a frequência de carros nos 21 cruzamentos com semáforos da cidade.

Batista lembra que a apresentação do novo sistema ainda é o estudo de uma possível implantação em Tubarão. “Os custos para este equipamento são elevados, e queremos receber outras empresas do ramo. Assim, poderemos escolher a que realmente oferece qualidade e a tecnologia mais avançada”, afirma o secretário de segurança e trânsito.

Teste poderá ser realizado

A empresa Tesc Sistemas de Controles, que realizou uma demonstração de um sistema de semáforos em Tubarão ontem, colocou à disposição da prefeitura o equipamento por cerca de 20 a 30 dias, para teste. O prefeito Manoel Bertoncini, que assistiu a demonstração de como funciona o equipamento, decidiu aguardar o estudo da secretaria de segurança de trânsito, assim novas propostas de serviço. “Não quero dar certeza do teste, pois, como o secretário já falou, os custos são altos, e podemos demorar para efetivar as modificações. Isso causaria uma expectativa da população”, justifica Bertoncini.

Com a instalação da central, acabariam casos como a falta de sincronização dos sinais de trânsito da cidade. “Tubarão ainda não é uma metrópole, mas, em certas horas do dia, apresenta congestionamentos. A central coordenará a quantidade de carros que passam por estes lugares, e assim determinará o tempo de abertura dos semáforos”, explica o secretário adjunto de segurança e trânsito, Adolfo Pinter.
O secretário João Batista de Andrade conta que o sistema auxiliaria, também, no monitoramento dos motoristas que não respeitam o tempo de espera nos semáforos. “A central nos daria o número dos chamados ‘motoristas furões’, aqueles que não respeitam o sinal amarelo”, destaca Batista.