Na rua paralela à Unisul, Padre Dionísio Cunha Laudt, a água subiu 20 centímetros.
Na rua paralela à Unisul, Padre Dionísio Cunha Laudt, a água subiu 20 centímetros.

Karen Novochadlo
Tubarão

Em apenas uma hora e meia, 22 milímetros de chuva. Esta quantidade foi suficiente para alagar algumas ruas de Tubarão na tarde de ontem. O tempo abafado e quente dos últimos dias levou à formação de nuvens e consequentemente precipitação.

Algumas ruas do bairro Dehon sofreram alagamentos. Outras próximas à Geraldo Spetmann (da rodoviária) também ficaram cheias de água. Assim como perto do cruzamento da avenida Pedro Zapellini com a rua Prudente de Moraes (Morro do Canudo), e na Vila Moema.

A costureira Anita Moreira Boger, 61 anos, mora na Padre Dionísio Cunha Laudt, no Dehon, há 15 anos e conta que água chegou a 20 centímetros de altura ontem.
O aposentado Lírio Nesi, 79, também ficou atento quando começou a chover. Morador da rua Martinho Ghizzo (paralela à Padre Dionísio Cunha Laudt) retirou o carro da garagem. A medida foi para evitar algum dano ao veículo. A água na rua subiu e passou da altura da calçada.

Os alagamentos são comuns no local. Apesar de a água escoar rápido pela boca-de-lobo aberta na Padre Dionísio Cunha Laudt, deixa um rastro de sujeira. Os moradores passaram o restante da tarde limpando as calçadas.
A Defesa Civil do município não chegou a ser acionada. Para os próximos dias, também está prevista chuva. Contudo, não deverá ser tão intensa e em tão pouco tempo. “A temperatura máxima deverá cair de 4 a 5 ºC”, explica o climatologista Rafael Marques.