Carolina Carradore
Tubarão

A comunidade escolar do colégio Senador Francisco Benjamim Gallotti, localizado no bairro Oficinas, em Tubarão, estava ansiosa para enfim ver de perto a tão esperada reforma. O tempo passou e tal obra não saiu do papel. A expectativa agora é que a reforma ocorra em um pouco mais de um mês. Mas, para isso, a licitação terá que ser cancelada e outro edital será lançado. A decisão foi tomada na tarde de ontem, em comum acordo entre secretaria e direção do colégio, na sede da SDR.

O problema maior ficou por conta do projeto atual. Vistoria realizada recentemente prova que há falhas. “É inviável colocar esse projeto em prática, pois não contempla o que a escola precisa”, pontua o secretário de desenvolvimento regional, Haroldo Silva, o Dura. Na reunião, o secretário propôs um acordo à direção do Gallotti. A licitação será anulada e outro edital será lançado, orçado em R$ 650 mil, mesmo valor do projeto anterior.

Dura pediu para a diretora do Gallotti, Vera de Quadro Salles Reis, elencar as necessidades emergências do colégio para ser estudado no próximo projeto. A meta do secretário é colocar a reforma em prática em 35 dias.

Enquanto a novela que gira em torno da reforma do colégio Gallotti não chega ao fim, a situação fica cada vez mais complicada para a educadores e os alunos. A estrutura está precária, com infiltrações, pinturas descascadas, instalação elétrica defasada.
O projeto atual não contempla as melhorias na estrutura hidráulica e elétrica, além de priorizar outros aspectos sem necessidade.