O primeiro ato na rua ocorreu ontem, nada impede que atividades semelhantes sejam realizadas nos próximos dias. - Foto: Jailson Vieira/Notisul.
O primeiro ato na rua ocorreu ontem, nada impede que atividades semelhantes sejam realizadas nos próximos dias. - Foto: Jailson Vieira/Notisul.

Jailson Vieira
Tubarão

Cerca de 200 pessoas participaram ontem à tarde de uma manifestação, em frente ao Museu Willy Zumblick, para pressionar os vereadores a aprovarem a redução dos custos com o poder legislativo, em Tubarão. A expectativa é de diminuição dos gastos com o duodécimo, de R$ 11 milhões no próximo ano para R$ 6,8 milhões, uma economia significativa de aproximadamente R$ 4 milhões.

A proposta de redução do duodécimo foi elaborada pelo Observatório Social de Tubarão junto com a comissão técnica da Câmara de Vereadores. “São gastos mais dinheiro de INSS de funcionários que investidos em saneamento básico em toda a cidade. É necessário que os legisladores entendam e reduzam esses custos para que sejam investidos mais e de forma ampla nas aéreas da educação e saúde, por exemplo”, assegura o coordenador do Movimento Brasil Livre (MBL) na Cidade Azul, Olavo Nunes.

De acordo com a presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação da Rede Municipal de Tubarão e Capivari de Baixo (Sintermut), Laura Oppa, com a redução dos gastos o montante poderá ser distribuído de forma igualitária em setores que necessitam deste dinheiro. “Temos que cobrar. Esses valores devem ser investidos em saúde, educação e no social, e não em gastos desta forma. É necessário que seja aplicado em benfeitorias para a sociedade”, destaca Laura.

Conforme Olavo, os ‘investimentos’ com o legislativo neste ano serão de R$ 10 milhões, cerca de R$ 37,5 mil ao dia. Para o próximo ano, os valores poderão chegar a R$ 43 mil, até o fim de 2017, o montante final ficará em R$ 11 milhões. “Tivemos reunião com todos os vereadores. Eles estão esperando o resultado do protesto para se posicionarem. Na verdade, não reduz o número de vereadores, apenas os gastos”, argumenta.