Angelica Brunatto
Capivari de Baixo

Os professores da rede municipal de ensino de Capivari de Baixo estão em desacordo com o governo municipal. O motivo é as negociações sobre diversas reivindicações feitas pela categoria desde o mês passado.
A presidenta do Sindicato dos Professores de Tubarão e Capivari de Baixo, Laura Oppa, conta que as negociações iniciaram apenas duas semanas após o pedido. “Durante as conversas, apenas discutimos revisão salarial”, relata Laura.
Mas não houve possibilidade, por parte do município, de pagar o reajuste pedido pela categoria. “Houve um atraso no jurídico, e a lei eleitoral não nos possibilita mais fazer este pagamento no salário”, justifica o prefeito Luiz Carlos Brunel Alves.

Os professores pedem o reajuste de 22,22% da lei do piso. Porém, o governo oferece pagar R$ 260,00, com vale-alimentação. “Após o término do período eleitoral, vamos incorporar este valor no salário”, garante Brunel.
A contraproposta da prefeitura foi entregue ontem aos professores. E, para analisar o documento, os professores reuniram-se em assembleia à noite. “Não há possibilidade de greve, mas pode ser que haja uma paralisação, de um dia, para mostrar a insatisfação da categoria”, avisa Laura.

Iniciam as negociações entre estado e docentes

As negociações entre o governo do estado e os professores foram retomadas. O primeiro encontro ocorreu na manhã de ontem. Seis representantes do Sindicato dos Trabalhadores em Educação (Sinte) estiveram na secretaria de educação para dar início às conversações.

Este primeiro encontro teve como foco a definição sobre reposição das aulas perdidas e a descompactação da tabela salarial do magistério. A maioria das escolas não deve passar por um calendário especial, já que a adesão em algumas unidades foi pouca ou nenhuma.

Quanto à descompactação da tabela salarial, o sindicato e o governo devem fazer novas reuniões. O trabalho deve ser estudado em conjunto. As reuniões entre governo e sindicato devem ser realizadas nas tardes de segundas e quarta-feiras. Nessas mesas de negociações, também será estudado o projeto de revitalização da carreira do magistério. O documento foi entregue aos diretores do Sinte no dia 16 do mês passado.