Jailson Vieira
Braço do Norte

A primeira experiência eleitoral para direção da Escola de Educação Básica Dom Joaquim, em Braço do Norte, tinha tudo para dar certo, mas devido às atitudes de duas professoras não foi bem isso que ocorreu. Conforme divulgado com exclusividade pelo Notisul, as docentes propuseram aos alunos um ponto na nota em troca de votos para a diretora de sua preferência. Concorria ao cargo a atual gestora Rita de Azevedo, a qual tinha a preferência de votos das duas professoras e a sua oponente, Eliane Schmitd. 

As eleições foram realizadas nesta quinta e sexta-feira na rede de ensino de todo o estado, em mais de 930 instituições. Professores, alunos e responsáveis estavam aptos para a votação. As profissionais que fizeram as propostas aos alunos já foram identificadas e poderão responder por processo administrativo. Caso respondam, as educadoras que são Admitidas em Caráter Temporário (ACT), não deverão concorrer a vagas para lecionarem. O estudante que denunciou (divulgou) o caso na internet também foi identificado. A gestora garantiu que não haverá retaliações com o aluno. 

“Toda a minha campanha foi feita dentro da legalidade e infelizmente no dia da votação tive essa surpresa. Foi uma maneira errada de se angariar votos. No início desta semana concluímos um projeto sobre corrupção e na quinta-feira ocorreu tudo isso. Fiquei muito irritada”, garante Rita.

A eleição escolar foi cancelada e de acordo com o gerente regional de educação em Braço do Norte, Ademar Rohling, a situação será analisada com cautela. “Enviamos o relatório para secretaria estadual de educação e até terça-feira acredito que teremos respostas. Foi um caso isolado e temos que ter muito cuidado com tudo isso”, observa.

Estudantes mostram o poder de seus votos
Mesmo com toda esta polêmica, os alunos mostraram que estão bem ‘antenados’ quando o assunto é corrupção. Nesta semana, eles tiveram a proposta ‘tentadora’ das professoras. As docentes afirmaram que dariam aos estudantes um ponto em troca de voto, porém, a garotada se mostrou incorruptível e utilizaram a tecnologia a seu favor ao divulgar o áudio da conversa na internet. A psicóloga Roberta Costa, de Tubarão, salienta que a atitude dos jovens foi memorável e que serve de aprendizado em diversas situações. “Foi um impacto moral. Eles se apresentaram bem orientados e desta maneira mostraram que estão no caminho certo. Esses jovens viram que alguns adultos têm condutas erradas e que não precisam ser coniventes com isso”, destaca. O secretário estadual de educação, Eduardo Deschamps, salientou que o fato foi lamentável, entretanto pontual. “Foi um processo bem construído, mas que apresentou falhas em Braço do Norte. Lá a eleição foi cancelada por meio do Ministério Público e deverá ocorrer no próximo ano. Vamos instaurar um processo administrativo e o caso será apurado e servirá de exemplo”, destaca.

Uma das candidatas precisou acionar a justiça
A candidata Eliane Schmitd revelou que não esperava a atitude de suas duas colegas e afirmou que o caso foi isolado. “Não tive muito tempo de fazer a campanha. Tudo porque participei da paralisação no início do ano e para o governo do estado grevista não poderia concorrer ao cargo. Fui orientada por uma ex-aluna e entramos com uma ação na qual foi nos garantido a participação no pleito. Até porque a greve é um direito do trabalhador. Ainda não entendi a maneira que procederam que minhas colegas procederam”, observou Eliane.

Na 20ª Gered tudo foi realizado dentro da normalidade
Das 42 escolas da 20ª Gerência Regional de Educação Tubarão (Gered), em 35 ocorreram as votações para diretores. Na maioria o pleito foi realizado com candidatura única. Segundo o gerente regional, Jaime Ondino Teixeira, na região não houve nada que desabonasse as eleições.