Amanda Menger
Tubarão

A polêmica da construção do presídio regional voltou à discussão durante a entrega de cinco viaturas para as polícias Militar e Civil de Tubarão, neste sexta-feira. O secretário de estado de segurança pública e defesa do cidadão, Ronaldo Benedet (PMDB), reiterou o compromisso do governo com a obra.

Em dezembro, durante um programa em uma emissora de rádio local, o secretário de desenvolvimento regional em Tubarão, Ademir Matos (PMDB), disse que se o município quisesse poderia desistir da indicação e pagamento do terreno.

Na oportunidade, o prefeito Carlos Stüpp (PSDB), participou do programa e falou que o estado que se responsabilizasse pela obra. Na mesma semana, o prefeito enviou um comunicado oficial. Dias depois, 21 de dezembro, o governador Luiz Henrique da Silveira (PMDB) esteve na cidade para a inauguração da SC-382 e comprometeu-se a comprar o terreno, desde que a prefeitura indicasse a área.

A posição do governo está mantida. “Nós compramos o terreno, temos verbas para isso, basta que indiquem a área”, reiterou o secretário de segurança. Benedet esclareceu que a indicação pode partir tanto da administração municipal quanto da câmara. “O que importa é a localização. Não podemos construir um presídio pendurado no céu”, ironizou.

Sobre a área considerada ideal pelos técnicos do Departamento de Administração Prisional (Deap), que pertence a Tractebel, Benedet relata que as últimas informações são de que a empresa não pretende vender o terreno. “Até onde sei, a Tractebel manifestou interesse em continuar como proprietária do local, por isso, é preciso indicar novas áreas”, completa.