Carolina Carradore
Tubarão

O sol resolveu dar o ar da graça e parece que vai ficar. Bom para consertar os estragos causados pelas chuvas das últimas semanas. Porém, para deixar a casa em ordem, Tubarão precisará de mais de R$ 6 milhões. Este é o valor estimado pela Defesa Civil de Tubarão, que entregou ontem o Sistema de Convênio (Siconv) ao Ministério da Integração. “Agora, vamos esperar a resposta do governo federal”, afirma o diretor da Defesa Civil de Tubarão, José Luis Tancredo. A Avaliação de Danos (Avadan) também foi entregue à Defesa Civil do Estado.

A verba será utilizada na recuperação de ruas, drenagens, pavimentação, conserto de pontes, reformas de prédios públicos, entre outras despesas provocadas pelo mau tempo. Enquanto esse dinheiro não vem, a equipe da secretaria de obras aproveita a previsão de tempo bom e organiza uma extensa programação tapa-buraco, nas ruas mais danificadas do município. Ontem, foram recuperadas parte da avenida Patrício Lima, rua Geraldo Spettmann e outras vias da região central.

Também foram liberados o trânsito no bairro Caruru e Sertão da Jararaca. Segundo o secretário de obras, Nilton de Campos, está prevista para esta semana a recuperação da rua Aldo Hülse, no bairro Andrino, vias no Sertão dos Corrêa e redondezas do Clube de Campo, no bairro Aeroporto.

Vendaval deixa quatro mil sem luz

O vento de pelo menos 60 quilômetros por hora durante a madrugada de ontem assustou a população da região. Em Tubarão, 4.530 pessoas ficaram sem luz por uma hora e 20 minutos. A força do vendaval derrubou um coqueiro, que atingiu a rede elétrica, em frente ao colégio Hercílio Luz, no centro da cidade.

Segundo o gerente regional da Celesc em Tubarão, Gerson da Silva Bittencourt, a equipe tentou religar a rede depois de retirar a árvore. Porém, com o curto-circuito, houve rompimento de um cabo na rede, no bairro Humaitá de Cima, próximo ao posto Fratelli. Por este motivo, faltou luz em alguns lugares no centro, Santo Antônio, Oficinas e Humaitá de Cima.

Avaliação dos prejuízos
causados pela chuva de 12/06

• Danos materiais em edificações públicas e privadas (escolas, postos de saúde, residências) = R$ 800 mil.
• Danos materiais em infraestruturas públicas (pontes, pontilhões e vias rurais) = R$ 1,6 milhão.
• Danos ambientais, deslizamentos e erosões = R$ 4 milhões.
• Prejuízos sociais, serviços essenciais com abastecimento de água, em distribuição e tratamento = R$ 537 mil.

* Fonte: Defesa Civil de Tubarão.