Zahyra Mattar
Tubarão

Em apenas alguns dias, os casos da nova gripe subiram vertiginosamente no Brasil. Ontem, 65 novas confirmações foram registradas pelo Ministério da Saúde. Agora, são 399 casos no país, dos quais cinco são em Santa Catarina (um em Criciúma, outro em Joinville, dois em Florianópolis e um em Curitibanos). Em números totais, o estado tem 40 pessoas contaminadas com o vírus H1N1.

Paralelamente, a secretaria estadual de saúde investiga outros 18 casos suspeitos. Um deles é em Tubarão e outro em Garopaba. A coordenadoria regional de imunização da 20ª gerência de saúde não informou se trata-se de um homem ou uma mulher e qual a origem da doença. “Como se trata de uma suspeita, as informações seguem sigilosas. É o mais correto. Mesmo porque queremos que as pessoas com dúvidas continuem a procurar o sistema de saúde público para podermos fazer nosso trabalho, que é o de evitar uma epidemia na região”, argumenta a coordenadora Ingrid Laura Bitencourt.

Ela informou apenas que o paciente é acompanhado em sua casa, passa bem e é medicado. O material necessário para o exame já foi coletado e enviado ao Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen), em Florianópolis. Quanto ao caso de Garopaba, a secretaria de saúde da prefeitura informou que se trata de uma criança de 5 anos. A suspeita teve ênfase após informações de que a criança teve contato com um chileno que também apresentava os sintomas de gripe. O menino está em isolamento domiciliar e também aguarda o resultado dos exames do Lacen.

“Como é uma época em que a gripe humana é bastante comum, as pessoas ficam na dúvida. O que vai confirmar ou não o caso, obviamente, além do exame laboratorial, é a origem. Por exemplo, se a pessoa não viajou para um país com a nova gripe ou se não teve contato com alguém que chegou de viagem do exterior, não há motivos para preocupações. Confirmado ou não, é importante informar que há tratamento gratuito”, tranquiliza Ingrid.

Serviço
Em Tubarão, as pessoas com dúvidas, devem entrar em contato com a vigilância epidemiológica do município, no número 3621-9030 ou para a coordenadoria regional de imunização no telefone 3621-2400.