Amanda Menger
Laguna

O bloqueio da Interpraias, próximo à balsa, em Laguna, durou dez horas ontem. Os moradores fecharam o acesso às 8 horas e só liberaram a estrada por volta das 18 horas, com a chegada da Polícia Militar. Os PMs propuseram aos manifestantes que retirassem os pneus cada vez que um veículo quisesse passar.
A intenção dos líderes comunitários era manter a barreira até que algum representante do governo do estado desse uma posição oficial sobre o licenciamento ambiental da obra.

Sexta-feira, o governador Luiz Henrique da Silveira (PMDB) frustrou as expectativas dos moradores da região da Ilha, ao não lançar o edital de licitação da obra. O trecho entre a balsa e a barra do Camacho, com um ramal para o Farol de Santa Marta, tem 18 quilômetros. O valor estimado da pavimentação é de R$ 18 milhões, contudo, as condicionantes impostas pelo Instituto Chico Mendes (IcmBio) elevam o total para R$ 34 milhões.

O vereador Eduardo Carneiro (PP) afirma que as condicionantes impostas pelo IcmBio são referentes aos lotes 4 e 5 da Interpraias, entre Rincão e a balsa, em Laguna. “Porém, a estrada do Camacho, a SC-487, faz parte do lote 5. Por que a Fatma licenciou de forma especial a pavimentação lá e aqui não?”, questiona o vereador.

O presidente da Fatma, Murilo Flores, explica que a realidade das obras é diferente. “Quando licenciamos a pavimentação do Camacho, o projeto da SC-100 não estava pronto. Depois, os engenheiros juntaram trechos que faziam parte de outras obras. Em agosto, a Fatma liberou o licenciamento prévio da pavimentação da balsa até a barra do Camacho. A LAP foi expedida com as condicionantes impostas pelo IcmBio. Nós não licenciamos o ramal para o Farol, aliás, nunca houve pedido oficial de licença”, esclarece Murilo.