Karen Novochadlo
Imbituba
 
Os casos de queimaduras de água-viva aumentaram na região em relação ao ano passado. Em Laguna, em apenas uma semana, ocorreram cerca de 200 registros. Em Jaguaruna, os bombeiros calculam realizar uma média de três a quatro atendimentos por dia. O número que mais impressiona é em Imbituba: foram 891 ocorrências contabilizadas em 11 dias. 
 
Os banhistas devem manter-se atentos e evitar encostar nas águas-vivas. Elas possuem células urticantes que queimam a pele. Em alguns casos, a dor é tão intensa que a pessoa precisa ser encaminhada ao hospital.
 
Ao sofrer uma queimadura por água-viva, o banhista deve, primeiro, procurar o posto guarda-vidas mais próximo, onde passará por um atendimento preliminar. Contudo, nunca deve lavar a região atingida com água doce. O correto é passar vinagre ou a própria água do mar. Em hipótese alguma o local deve ser esfregado. “O vinagre, o mesmo utilizado na cozinha, elimina as toxinas e alivia a dor”, ensina o comandante dos guardas-vidas do Mar Grosso, em Laguna, sargento Sérgio Soares. 
 
“Quando a queimadura atinge uma área muito extensa, como abdômen, encaminhamos direto para o hospital”, completa o comandante operacional da unidade de Jaguaruna, Fabiano Dias. 
 
Uma outra recomendação dos bombeiros é que, após a queimadura ser lavada com vinagre, o banhista deve ir para casa repousar. O vinagre, por ser um ácido, pode manchar a pele quando exposta ao sol.
 
Quanto às pessoas que acreditam que urinar na queimadura pode aliviar a dor, segue o aviso: nem todos têm o teor de acidez suficiente para surtir algum efeito. A água salgada é o melhor remédio neste caso.
 
Por que tantos casos?
A época de reprodução das águas-vivas coincide com a temporada de verão. O comandante dos guarda-vidas do Mar Grosso, em Laguna, sargento Sérgio Soares, diz que a cada ano cresce o número destes animais nas águas da região. A explicação para este aumento pode estar relacionada à poluição, à temperatura global e ao crescimento da exploração de recursos naturais. 
Ao contrário de predadores como o tubarão e as barracudas, as águas-vivas não atacam ou perseguem as pessoas, como muitos acreditam. Elas possuem baixa mobilidade e ‘caminham’ por meio das correntes marinhas. Ao aproximarem-se da praia, ficam à deriva e são carregadas à beira pelas ondas.
 
Recomendações
♦ Saia da água após a queimadura.
♦ Lave o local com água do mar.
♦ Não esfregue ou coce a queimadura.
♦ Não use pomadas ou medicamentos para queimaduras no local.
♦ Durante a noite, pode-se fazer uma compressa com água gelada no local.