Andréa Raupp Alves
Tubarão

Estava agendado há semanas: ontem, João Fernandes (PSDB) passaria o cargo de presidente da câmara de vereadores de Tubarão a Maurício da Silva (PMDB). Mas a transmissão não ocorreu. A sessão deveria ser extraordinária, pois os vereadores estão em fase de recesso. Mas o executivo teria que desembolsar dinheiro para a convocação dos legisladores, o que não ocorreu.

“Conversei com o prefeito Manoel (Bertoncini – PSDB) em novembro e o objetivo para 2010 é diminuir os gastos com a casa, e as sessões extraordinárias estão incluídas neste processo. Além disso, a conversa gerou em torno de não haver mais conflitos entre o legislativo e o executivo, e pretendemos levar os trabalhos neste sentido. Ocorre que, na semana passada, eu tive a garantia do atual prefeito (Felippe Luiz Collaço, o Pepê – PP) de que mandaria a convocação dos vereadores”, relata o vereador Maurício.

Agora, Maurício assume apenas na volta dos vereadores aos trabalhos, na segunda semana de fevereiro. Neste dia, o presidente João renuncia e o atual vice ‘herda’ a presidência da câmara de vereadores.
“As desculpas de que a convocação não seria feita por falta de projeto não procede, pois há um projeto para entrar na casa. Todos os vereadores da situação, que não compareceram a sessão, foram comunicados da reunião, por e-mail”, assegura Maurício.

Avaliação
dos trabalhos

Para o presidente da câmara dos vereadores de Tubarão, João Fernandes (PSDB), os trabalhos da casa em 2009 foram positivos. “As atividades de um ano foram equivalentes a quatro anos de mandado anteriores”, destaca. No total, 1.647 trabalhos foram executados pelo legislativo, 224 deles projetos. “Destes, 82 foram aprovados pela casa”, informa o presidente.

Para este ano, o vereador Maurício da Silva (PMDB), que assume a casa em fevereiro, a meta é retomar as sessões itinerantes da câmara. “Este trabalho tem como objetivo mostrar à população como funciona a casa e os trabalhos dos vereadores, pois muita gente ainda não sabe o que um vereador faz”, relata. As sessões itinerantes são feitas em comunidades e em entidades específicas.

Outra atividade que será implantada pela casa é a parceria com a Unisul, por meio do projeto Cátedra. “Serão realizados mini-fóruns para discutir a participação e a solidariedade da sociedade. Entendemos que essas atitudes movem o mundo”, analisa Maurício.