Zahyra Mattar
Tubarão

A “Estrada da Laguna”, hoje Estrada Geral da Barra e futuramente parte da Rodovia Interpraias, é tão antiga quanto a história de amor e guerra de Giuseppe Garilbaldi e Anita. “Desde sempre”, o governo do estado avalia a possibilidade de pavimentação da estrada. E foi assim que chegou a um projeto audacioso: a Rodovia Interpraias, que ligará o litoral sul catarinense e tem como objetivo principal promover o turismo na região de forma integrada.

Os benefícios são indiscutíveis, mas o impacto ambiental da obra, por outro lado, é motivo de questionamentos. “Estamos há 18 meses tentando lançar o edital de licitação para efetuar a pavimentação do trecho entre a Barra de Laguna e o Camacho, com um ramal para o Farol de Santa Marta. Isto deve-se a questões ambientais levantadas por órgãos federais, no nosso caso da APA da Baleia Franca. Eles dizem que haverá impacto. Claro, uma rodovia impacta, mas não iremos modificar nada. O traçado será o mesmo. O que mudará é que, ao invés de terra, a estrada será de asfalto”, argumenta o secretário de desenvolvimento regional em Laguna, Mauro Candemil.

A empresa Prósul, responsável pelo projeto asfáltico da rodovia, tem até este mês para responder os questionamentos feitos pela APA. “Temos pressa, mas queremos fazer tudo em conjunto com a Apa. Afinal, a questão ambiental é um dos pontos mais fortes para o turismo, atividade que queremos alavancar. Só acho que poderíamos tentar agilizar mais este processo”, pontua o secretário.

A Rodovia Interpraias custará cerca de R$ 19 milhões. Deste valor, R$ 400 mil são de contrapartida do estado e estão garantidos. O restante será financiado pelo BID 5, cujo projeto foi aprovado recentemente pela assembléia legislativa e aguarda apreciação no senado. “Nossa meta é pavimentar este trecho até 2010. Não há mais como retroceder. Esta obra vai começar no próximo ano”, decreta Candemil.