Pouco mais de 10 por cento da obra foi realizada até agora. - Foto: Divulgação/Notisul.
Pouco mais de 10 por cento da obra foi realizada até agora. - Foto: Divulgação/Notisul.

Garopaba

O município de Garopaba corre o risco de ser obrigado a devolver um investimento de R$ 2 milhões da construção de uma Unidade de Prontoatendimento (UPA) em decorrência do atraso das obras. Os trabalhos iniciaram em janeiro do ano passado, mas, desde o início de 2016 estão paralisadas.

Uma notificação do Ministério da Saúde, em julho, acendeu o alerta sobre a possibilidade de devolução do dinheiro. Segundo o governo federal, o sistema de monitoramento das obras não foi mais alimentado. O município terá um prazo de 15 dias para regularizar a situação, segundo a notificação que ainda não foi respondida.

A UPA de Garopaba teria a capacidade de atendimento médio de 150 pacientes por dia, projeto que beneficiaria também municípios próximos. Enquanto isso, a construção não passou da fase de fundação e a região segue na dependência das emergências dos hospitais, Regional, em São José, e Nossa Senhora da Conceição, em Tubarão, distantes entre 60 e 80 quilômetros, e que atendem duas grandes regiões, com mais de 40 municípios.

Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, o contrato foi desfeito em julho deste ano por problemas da construtora. O setor jurídico já trata da cobrança na justiça para reiniciar os trabalhos com urgência. A construtora não foi localizada para se manifestar sobre o caso.