Prefeitura ofereceu quase R$ 28 mil para dividir entre a categoria e um plano de carreira geral. Foto: Suellen Souza/Folha do Vale/Notisul
Prefeitura ofereceu quase R$ 28 mil para dividir entre a categoria e um plano de carreira geral. Foto: Suellen Souza/Folha do Vale/Notisul

Angelica Brunatto
Braço do Norte

Após duas paralisações em menos de uma semana, e reivindicações por melhores salários, servidores da saúde de Braço do Norte e a secretária de saúde da prefeitura, Lúcia Volpato, reuniram-se para tentar evitar a greve. E deu certo.
A categoria decidiu manter os serviços normalmente. “Acatamos a proposta do município”, revela o presidente do Sindicato dos Servidores Municipais, Wilson Althoff. Foram oferecidos aos profissionais quase R$ 28 mil para dividir entre a categoria. A proposta anterior era de R$ 25 mil.

O plano de carreira específico, que era um dos principais pedidos da categoria, não foi ofertado pela prefeitura. “Um plano de carreira geral já é elaborado para todos os servidores de Braço do Norte”, explica a secretária Lúcia. O plano deve ficar pronto até o fim do ano.
Foram passados aos servidores os valores de alguns cargos. “A maioria acatou, foi uma decisão boa”, analisa a secretária.

Com a greve, os profissionais da saúde prometiam paralisar todos os atendimentos. O único serviço que funcionaria seria o transporte de pessoas que necessitam realizar quimioterapira e hemodiálise.
A primeira paralisação ocorreu no último dia 1º. Os gestores foram surpreendidos pela ação de 200 servidores. Já a segunda foi realizada no dia 6. Nesta última, eles pediam uma contra-proposta do município para não paralisar definitivamente.
Os servidores da saúde afirmavam receber os menores salários do Vale. Segundo o prefeito Evanísio Uliano, o Vânio, nos últimos três anos, a categoria recebeu 19% de aumento salarial.