Foto:Divulgação/Notisul
Foto:Divulgação/Notisul

Jailson Vieira
Capivari de Baixo

Foram somente cinco dias após a eleição municipal para a prefeitura de Capivari de Baixo atrasar mais uma vez os salários dos funcionários contratados e dos servidores públicos. Há dois meses, os trabalhadores na área da educação decidiram em assembleia que se ocorressem mais atrasos, seria realizada uma operação tartaruga.

De acordo com a presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação da Rede Municipal de Tubarão e Capivari de Baixo (Sintermut), Laura Oppa, a operação foi a iniciativa encontrada em um primeiro momento para pressionar o gestor do município, Moacir Rabelo (sem partido). “No ensino fundamental, os estudantes estão sem a última aula, e a partir desta terça-feira, as atividades do ensino infantil serão iniciadas com uma hora de atraso e encerrarão uma hora mais cedo. Infelizmente tem que ser assim”, lamenta Laura.

Conforme um representante da prefeitura da Cidade Termelétrica, os vencimentos estarão na conta dos trabalhadores nesta terça-feira pela manhã. O atraso de um dia útil ocorreu de forma involuntária, segundo o funcionário do primeiro escalão. 

Desde novembro do ano passado, os trabalhadores da prefeitura amargam muitos problemas: salários atrasados, vales-transporte descontados, mas não repassados, e naquele ano a incerteza do pagamento do 13º (quitado com atraso). “Infelizmente a história se repete e quem paga a conta é o trabalhador”, enfatiza a presidente do Sintermut.

Já em fevereiro deste ano, os vales-transporte foram cortados e as pessoas que moram em outras cidades e que são contratadas ou efetivas do Paço precisam buscar uma forma de comprar os vales para a sua locomoção. Além disso, um problema com a alimentação tem sido frequente no município. Professores e pais denunciaram recentemente e nesta segunda-feira relataram ao Notisul a falta de produtos alimentícios para as crianças nos Centros de Educação Infantil (CEI).

Terceirizada mantém histórico de falta de pagamento
Os agentes de limpeza, que prestam serviço para a prefeitura de Tubarão e suas fundações, se recordam bem a última e única vez que receberam o pagamento em dia. O mês foi em março deste ano. De lá para cá, os valores não foram efetuados no quinto dia útil pela empresa terceirizada All Serv, de Sergipe. 

Nesta segunda-feira, os trabalhadores procuraram o Notisul e mais uma vez denunciaram a falta de depósito dos seus vencimentos. A empresa iniciou os trabalhos na Cidade Azul no início de fevereiro deste ano e, desde então, os problemas apresentados pelos agentes são constantes. 

Segundo os funcionários, todos os meses tem sido uma luta para receber. “Não nos repassaram os salários, nem os vales-alimentação e também o vale-transporte. A situação está difícil, não podemos comprar porque não temos perspectivas de pagar as nossas dívidas. Sofremos retaliações”, conta uma funcionária.