Secretaria de Saúde e Promoção Social de São Ludgero analisa opções para manter atendimentos nas unidades. - Foto: Prefeitura São Ludgero/Divulgação/Notisul
Secretaria de Saúde e Promoção Social de São Ludgero analisa opções para manter atendimentos nas unidades. - Foto: Prefeitura São Ludgero/Divulgação/Notisul

São Ludgero

Com o crescente número de atendimentos feitos nos últimos meses a pessoas residentes em outros municípios, a partir de janeiro de 2017 as pessoas que necessitarem de atendimento na Unidade Básica Central de Saúde, em São Ludgero deverão apresentar o Cartão de Saúde da Família (ESF). A decisão foi tomada pela Secretaria de Saúde e Promoção Social, com o aval da Administração Municipal.

A Secretária de Saúde e Promoção Social, Nilva Schlickmann Pickler, afirma que a medida é necessária para que a administração municipal consiga manter a qualidade dos atendimentos prestados as famílias residentes no município. “Todos são sabedores que a unidade central de saúde é mantida com recursos próprios do município e também apoio financeiro recebido da Cooperativa de Eletricidade de São Ludgero (Cegero) e é bom que todos saibam que nos últimos meses cresceu muito os atendimentos feitos a pessoas de outros municípios e se continuar assim em breve não conseguiremos manter o padrão de atendimento e nem pagar as despesas”, relata.

A Unidade Básica Central de Saúde, localizada no centro de São Ludgero, funciona 24 horas por dia initerruptamente, fazendo atendimentos ambulatoriais, bem como os primeiros atendimentos de urgência e emergência. Os casos mais graves são encaminhados aos hospitais da região, a exemplo do Hospital Santa Teresinha. Além desta unidade o município ainda conta com três unidades Estratégias Saúde da Família (ESFs) funcionando de segunda à sexta-feira.

O prefeito em exercício de São Ludgero, Ibaneis Lembeck, ressalta que a administração está atenta à situação e estuda opções para manter a qualidade nos atendimentos realizados nas quatro unidades em funcionamento. “Os valores repassados pelas esferas superiores não cobrem as despesas e quem paga a conta na verdade é a prefeitura, realidade não só de São Ludgero e sim dos outros municípios também”, observa. 

Ele reforça que o município não tem condições de manter atendimentos constantes aos municípios vizinhos. “Enfrentamos as mesmas dificuldades financeiras dos municípios vizinhos e quero registrar e agradecer toda equipe da saúde local, em especial aqueles que estão empenhados com muita habilidade buscando superar as dificuldades diárias com eficiência”, destaca.

Atendimento do pronto-socorro
O prefeito em exercício de São Ludgero, Ibaneis Lembeck, o Iba, recebeu ofício datado de 16 de dezembro da Associação Beneficente Santa Teresinha, o Hospital Santa Teresinha, informando das dificuldades em manter o pronto-socorro e que devido ao grande número de atendimentos diários ambulatoriais feitos na instituição, a partir do dia 23 de janeiro de 2017, tais atendimentos serão suspensos. O documento é assinado pelo presidente do HST, Arley José Felipe.