Em São Ludgero, os trechos de estradas recebem limpeza   -  Foto:Bertoldo Kirchner Weber/Divulgação/Notisul
Em São Ludgero, os trechos de estradas recebem limpeza - Foto:Bertoldo Kirchner Weber/Divulgação/Notisul

São Ludgero

Praticamente, desde o início da primavera, as chuvas não deram trégua em Santa Catarina e os períodos de intervalo entre os dias chuvosos foram curtos. Medidas preventivas são tomadas em dois municípios da região: São Ludgero e Laguna.

Drenagens nos perímetros urbano e rural, alargamentos, limpeza das bocas de lobo, abertura de valas e a mudança na forma de realizar o patrolamento são ações que contribuem para que ruas e estradas permaneçam em bom estado. O prefeito de São Ludgero, Volnei Weber, diz que os períodos de chuvas possibilitam identificar possíveis problemas que ainda existem. “A extensão de estradas e ruas de chão batido é grande no município mas, com organização, planejamento e agindo de forma proativa, já melhoramos”, ressalta. Alguns desmoronamentos ocorreram nos últimos dias em trechos de estradas e de imediato as devidas providências foram tomadas.

Em Laguna, a ponte sobre o rio Corredor, na localidade de Campos Verdes, está interditada para o tráfego de automóveis e veículos pesados. O motivo é um desmoronamento de terra na cabeceira sul da via, que fica nas proximidades da divisa com Tubarão. A travessia de motociclistas, pedestres e ciclistas ainda é permitida. O secretário de obras de Laguna, Renato de Oliveira, deve deslocar uma equipe hoje para avaliar os estragos e tentar aplicar soluções para a trafegabilidade na ponte de alvenaria.

Após ser atingida por um forte temporal e parte da estrutura ser afetada, a unidade de saúde da Passagem da Barra, em Laguna, estava com os serviços paralisados, pois a parte afetada fazia parte da obra de reforma e ampliação feita recentemente. Depois de nova licitação, o local é recuperado com melhorias na cobertura, instalação elétrica, pintura e construção do sistema de tratamento de esgoto.

Chuva dos últimos meses supera a média
Desde o primeiro dia de setembro até o último sábado, os totais de chuva superaram os 400 milímetros (mm) em grande parte de Santa Catarina. Os maiores acumulados, acima de 700 mm, foram registrados no meio oeste (Campos Novos, Tangará), parte serrana da Grande Florianópolis (Rancho Queimado), sul (São Joaquim, Meleiro) e norte (Joinville). Em Rio do Campo, no Alto Vale, este total ficou próximo de 800 mm (maior registro até o momento). A passagem frequente de frentes frias, a atuação persistente de sistemas de baixa pressão que se intensificam no Paraguai e a atuação da corrente de jato em baixos e altos níveis da atmosfera resultaram em uma condição de tempo que favoreceu as chuvas persistentes. Alguns destes eventos foram acompanhados por fortes temporais nas regiões catarinenses e os registros de granizo também foram bem mais frequentes do que o normal nesta primavera. Na abrangência da Associação dos Municípios da Região de Laguna (Amurel), os maiores acumulados foram em Jaguaruna, 373,60mm, e Laguna, 412,60mm

Donativos para atingidos pelas chuvas são arrecadados
A Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina (Fiesc), por meio do Sesi/SC, iniciou nesta semana a campanha “Abraço Solidário” para recolher donativos às pessoas que foram atingidas pelas chuvas em Santa Catarina. Produtos de higiene pessoal, fraldas descartáveis infantis e leite em pó são vendidos a preço de custo nas unidades do Sesi Farmácia espalhadas pelo estado. A entidade fará o repasse das arrecadações às unidades da Defesa Civil dos municípios. As doações podem ser feitas até domingo. As fortes chuvas que caem sobre o estado levaram à suspensão das aulas e ao fechamento de unidades do Sesi e do Senai em 18 cidades. A federação também está engajada internamente para prestar apoio à população e fazer a campanha alcançar o maior número de pessoas. “O que temos visto, além das medidas de segurança, são exemplos de força e superação de nossas equipes, que procuram ajudar e mobilizar outras pessoas para que as atividades e a vida normal sejam restabelecidas o mais rápido possível. É a mesma garra que move a indústria de toda Santa Catarina a superar os desafios da atual conjuntura e que é marca registrada do nosso estado”, afirma o presidente da Fiesc, Glauco José Côrte.

Previsões para os próximos dias
Hoje e amanhã, a chuva persiste no litoral e estende-se ao Vale do Itajaí e planalto devido aos ventos úmidos do mar, com um acumulado de chuva diário de 10 a 20 mm em média. Entre a tarde de sexta-feira e o sábado, conforme dados da Ciram/Epagri, uma nova frente fria avança pelo estado e provocará pancadas de chuva e temporais isolados com granizo. O acumulado previsto para esses dias varia de 20 a 40 mm, normal na passagem deste tipo de sistema.