Silvana Lucas
Tubarão

Notisul – Como surgiu a sua loja de bicicletas?
Robson de Souza Gaspar (Binho) – Após a enchente de 1974, meus pais resolveram colocar um comércio e acabaram optando por venda de bicicletas. Na época, a Monark era uma grande marca, mundialmente conhecida, uma empresa paulista que chegou a exportar para muitos países. Meus pais resolveram, então, fazer a assistência técnica da marca aqui em Tubarão. Nome que sugeriu a família batizar a loja do centro: Monark. De lá para cá, muita coisa mudou nas bicicletas, das antigas de contra pedal, que muitos ainda chamam de freio de pé, evoluiu para outros sistemas de freagem e modelos, modificações que meus pais acompanharam. Naquela época, meu pai chegou a comprar outras lojas do ramo, porque outros comerciantes não estavam contentes com o setor. Éramos os pioneiros na cidade, pois havia somente pequenas oficinas. Tornamo-nos fortes na região, mas quem comandava tudo era Valquíria, minha mãe que, sem conhecer o ramo se tornou uma grande empresária e que ensinou tudo que precisei para me tornar um empresário. Com 15 anos, eu já administrava sozinho uma das lojas. Mesmo novo para os negócios, minha mãe liberava parte dos rendimentos do mês para eu aproveitar, dinheiro que usava para compra de carros e motos, que são também as minhas paixões. Anos depois, montei, junto com a venda de bicicletas, uma revenda de motos, os negócios foram bem, até que as bikes tomaram uma proporção maior e decidimos ficar somente neste tipo de ramo.

Notisul – Qual era a proposta inicial da empresa, e o que mudou na atualidade?
Binho – Ao completar 40 anos, lembro que determinado momento deixamos de ser uma bicicletaria e passamos a ser uma bike shop, nome que muitos utilizam para as vendas de produtos para ciclismo. Fizemos a mudança do nome, que nada mais tinha com a marca, e passamos a ser Shop Bike. Procuramos novos produtos, novas e fortes marcas. Trabalhamos bastante na parte da mecânica, onde temos, atualmente, uma das mais fortes neste ramo na região, com profissionais formados nas fábricas específicas dos produtos que vendemos, mecânicos treinados na Caloi, na Specializede, no padrão Shimano, marcas que exigem muito do aprendizado. Inventei o serviço de busca de bicicletas em casa, não existia esta oferta por aqui. Também inventei uma moto específica para transportar as bikes, onde levamos e trazemos para o cliente. Modernizamos muitos itens da loja anterior para acompanhar a evolução do segmento.

Notisul – Quais foram as maiores dificuldades enfrentadas?
Binho – Acredito que as dificuldades ocorrem não somente no ramo das vendas de bicicletas, mas para todos os empresários. No modo geral, sempre quando há mudanças de planos, de estratégias, no início sempre geram prejuízos. Houve também muitas fases difíceis. Por vezes até criticas, momentos em que trabalhar com crediário tinha muita inadimplência. Vários clientes compraram bicicletas e quitavam as primeiras prestações e não pagavam as demais. Tivemos o tempo das vendas por consórcio, onde alguns sujeitos ganhavam a bicicleta no sorteio inicial e, depois, não voltavam para acertar as parcelas e, com a falta de pagamentos, tivemos problemas financeiros, onde na maioria dizíamos: “meu Deus, dai-nos forças para aguentar”. Com luta, empenho, dedicação, vontade de crescer, experiência e um nome firmado pelo tempo, jamais chegamos a desistir. Não tenham dúvidas, dificuldades existiam, mas são superáveis.

Notisul – As lojas de departamentos são suas concorrentes?
Binho – Atualmente, com as grandes promoções nestas lojas, às vezes incomoda um pouco, fato que, com a nossa tradição no mercado, não chegam a nos abalar. Concorrências sempre existirão, isto em qualquer tipo de negócios. Até porque, para algumas destas lojas prestamos serviço. Fizemos assistência técnica e manutenção, enfim, quanto mais bicicletas elas venderam, mais ganhamos, além disto, temos a parte de acessórios, de peças de mecânica, itens complementares que nelas não há, então, no modo geral, não incomodam.

Notisul – O comércio online é uma ajuda nas vendas ou outro concorrente?
Binho – Penso que a internet é uma grande ferramenta para quem sabe usar e comprar. Temos vivenciado casos em que pessoas compraram bicicletas pela rede e não tiveram sorte. O produto veio danificado, com falta de peças que, na hora da montagem e do funcionamento, prejudicaram e comprometeram o desempenho do atleta. Por outro lado, acredito que o mundo viverá ainda mais em função da internet. O futuro é ainda mais tecnológico e que não podemos ficar de fora. Para fazer parte desta corrente, estamos nos aperfeiçoando e construindo uma loja online, que logo será lançada, porque quem não acompanha as tendências cai fora do mercado.

Notisul – Com os anos de experiência no segmento, pode ser afirmado que houve uma mudança no perfil do cliente?
Binho – Mudou… e muito.  Antigamente, se você fechasse as portas para a refrigeração do ar-condicionado, o cliente não entrava na loja. Acredito que, com a modernidade, com tantas ferramentas tecnológicas, tenho como exemplo meu pai, com 74 anos, navega normalmente na internet, sem problema algum. Atualmente, há uma grande diferença nos compradores de bicicleta. Temos desde alguém de mais idade, que vem buscar uma bike do tempo dele, somente para passeio, como também aquele que deseja fazer compras no supermercado, porque tem uma criança e quer aproveitar para passear, enfim, muitos investem em um bom equipamento para se divertir com a família. No geral, o cliente que mais vem à loja é porque quer um equipamento para pedalar, quer fazer um exercício, quer tirar o estresse do dia a dia. A maior parte dos compradores pensa na saúde, na qualidade de vida, busca melhores equipamentos. Uma bicicleta que possa equipar o cliente está muito mais exigente que décadas atrás.

Notisul – Por que há uma grande diferença de preços e tipos de equipamentos para a prática do ciclismo?
Binho- A diferença existe pelo fato de haver mais tecnologia na construção dos equipamentos. Hoje, o cliente compra uma bike que possa levá-lo na comunidade da Guarda e com esta mesma bicicleta pedalar até Florianópolis. Temos muitos clientes que não enfrentam mais as filas para ir até Laguna ou Jaguaruna, eles preferem fazer o trajeto no pedal. Mudou porque o cliente quer um equipamento de ponta, um produto mais sofisticado, que dê maior conforte e segurança. As diferenças existem para atender uma diversidade de públicos. Temos, desde bicicletas de R$ 350,00 até as de R$ 25 mil. A alteração está no pedalar. Todas as duas fazem o mesmo caminho. Costumo dizer aos clientes que é como ir até São Paulo em um Fusca ou em um BMW, se os dois estiverem em boas condições e abastecidos, você chega lá, o fato é que o melhor produto te proporciona muitas coisas, como uma melhor geometria de quadro, tamanho de roda, inclusão de acessórios que facilitam o teu deslocamento, conforto, estabilidade e segurança, tudo isto faz com um produto fique financeiramente diferente de outro.
 
Notisul – Com a sua experiência no ramo da prática do ciclismo, você pode definir se a cidade de Tubarão favorece este esporte?
Binho – Sempre tive o privilégio de receber, em minha loja, os candidatos à prefeitura e também os eleitos. Sempre conversei, pedi, falei e comentei se precisasse de apoio e eu e a Shop Bike estaríamos sempre à disposição para ajudar o município a ter ciclovias que ligassem os bairros. Que existissem, por exemplo, uma que estendesse da comunidade de Oficinas até a vizinha Capivari de Baixo. Se houvesse estas estradas, facilitaria o trabalho de muitos moradores. O relevo da cidade favorece o pedal, mas as estradas não contribuem com os ciclistas.

Notisul – Qual a contribuição da sua empresa para a disseminação do esporte na região?
Binho – Temos um grupo de pedaladas que se reúne todas as terças à noite que, infelizmente, até cinco anos atrás eu fazia parte, eu acompanho mais não no pedal, tive problemas de saúde que me impossibilitam de praticar. Fico no apoio, faço a recepção, espero meus clientes, inclusive temos também um grupo de patrocinadores que contribuem com a distribuição na saída do percurso, com água mineral, energéticos, isotônicos e barras de cereais. Temos um monitor da loja que acompanha toda a equipe, faz o trajeto, que também é mecânico. Nossa turma do pedal é formada por 30, 35 pessoas em uma noite, em uma grande amizade. A equipe chega a percorrer de 20 a 35 quilômetros, somente nas regiões interioranas, inclusive na semana passada, com o forte calor, o grupo decidiu na hora e foi até Jaguaruna se refrescar nas águas do chuveirão.

Notisul – Há, em Tubarão, uma associação de ciclistas, esta organização ajuda a disseminar o esporte ou isto já ocorre porque é uma tendência mundial?
Binho – É uma tendência mundial, vem das pessoas buscar algo que possa contribuir com o bem-estar, com a saúde, ou até mesmo porque viu um amigo praticar, viu que era gostoso, prazeroso, então decidiu pedalar também e, com isto, outras pessoas aderem à prática.

Notisul – Com tantas facilidades em se andar de automóvel, porque comprar uma bicicleta?
Binho – Primeiro, fundamental e muito importante é a saúde. A bicicleta é um meio de transporte que te proporciona melhor qualidade de vida. Na maioria das vezes, vivemos estressados, na correria. Acredito que a bicicleta seja um forte benefício. Ao pedalar, o sujeito olha a paisagem, observa melhor o espaço e as diferenças, senti o ar puro. O grande motivo para se pedalar é a saúde. Depois, tem a questão do meio ambiente. Este esporte não polui. Se pensarmos um pouco mais à frente, esta atividade não vai prejudicar os nossos filhos, netos, enfim, pedalar é tudo de bom.

Notisul – Pela sua experiência, qual o conselho você daria para quem quer começar o seu próprio negócio?
Binho – É fundamental ter perseverança. Segundo a busca constante de conhecimento, de aprendizado, de pesquisa de novos caminhos, de tendências, porque o mercado exige esta postura. Eu diria que é preciso vontade e coragem, mesmo que as dificuldades apareçam, sempre pensar em seguir adiante, ser forte, ser referência no que faz, se não, nunca vai chegar a ser um vitorioso.

"O trânsito de Tubarão não favorece o ciclismo em hipótese alguma."

"Minha mãe foi o melhor exemplo de profissional que conheci."

"Buscar constantemente o conhecimento faz com que você sempre esteja atualizado."

"Precisamos melhorar a trafegabilidade para o ciclista. Há muita carência ciclovias"

Perfil
Cresceu em meio a pedais, rodas e aros, assim foi a infância de Robson de Souza Gaspar, que muitos conhecem por Binho. Em sua história, os exemplos da perseverança da mãe em buscar uma atividade nova para família, mesmo não entendendo nada de bicicletas, e trabalhando na loja até os seus últimos dias, fazem com que o empresário se sinta forte para enfrentar todos os desafios da profissão. Além das filhas Bárbara e Beatriz, suas paixões são também os carros, motos, velocidade, as voltas no skate elétrico e claro, as bicicletas.

Robson por Robson
Deus – Tudo
Família – Alicerce
Passado – Passou
Presente – Trabalho
Futuro – Vou em busca