Ademir da Silva Matos, de 59 anos, é prefeito de Braço do Norte pela terceira vez em sua carreira política. Nasceu no município, de família simples, batalhou por melhores condições de vida. Trabalhou como engraxate e vendedor e aos 17 anos decidiu morar em São Paulo, onde viveu durante 15 anos. Estudou e se formou em administração e de empresas e contabilidade. “Tive o privilégio de realizar o meu sonho de namorar e casar com a minha esposa, tivemos nossos dois filhos em São Paulo e depois voltamos para cá”, lembra Ademir. Foi candidato eleito a prefeito sem nunca ter disputado outro cargo na vida e teve a felicidade de governar o município por quatro anos. “Lembro-me que ganhei com 1.914 votos, foi a maior diferença que teve. Fui para a reeleição e ganhei também. Logo depois fui convidado para ser secretário regional e aceitei o desafio”, relembra Ademir. O atual prefeito ainda disputou a terceira eleição, mas teve a sua candidatura impugnada. “Foi a maior injustiça que já sofri. Meu registro foi impugnado na lei da ficha limpa. Voltei na minha quarta eleição”, avalia Ademir. Sobre a sua trajetória política o prefeito se diz realizado. “Fico muito feliz de provar que quem pintou que eu era ficha suja estava errado, pois disputar quatro eleições em um município onde todos se conhecem e eu sempre fui muito bem recebido onde passei. Sou realizado como amigo, como pai de família e como político. Sou um homem realizado por completo”, resume.
 
 
Fernando Silva
Braço do Norte
 
Notisul – Prefeito, como o senhor avalia o seu retorno à prefeitura e esse primeiro ano de governo nessa nova gestão?
Ademir da Silva Matos – Olha, com toda a dificuldade que agente pegou, até já esperávamos uma certa dificuldade pela experiência que tínhamos nos mandatos anteriores, já conhecia durante a campanha o orçamento durante os debates e sabia que iríamos pegar muita dificuldade na prefeitura. Mas, mesmo assim, surpreendeu-me negativamente pela situação. Tinha um déficit muito grande. Então planejamos, Charles e eu e toda a nossa equipe, o fechamento do ano do que poderíamos sanar. Pagamos tudo em ordem cronológica, porque não se considera a dívida do prefeito, e sim da prefeitura, então tudo o que foi de acordo com a lei nós pagamos: o precatório do ano passado, que era obrigação do prefeito pagar, ele não conseguiu quitar, mas nós parcelamos e terminamos de pagar agora. Foram R$ 600 milhões. Pagamos quase R$ 3 milhões de dívidas do passado e então estamos fechando as contas. No último dia 20 pagamos o 13º e a folha de pagamento de dezembro. Nossa prioridade sempre foi o servidor, inclusive repassamos para o servidor da saúde R$ 140 mil do PMAC, um programa que vem para incentivo do profissional por meio de cursos. Isso nós vamos repassar para os nossos profissionais, logicamente que são descontados os encargos sociais, então a parte de pessoal e organizacional, muito bem feita. Também nesse nosso mandato, concluímos as ruas que estavam paradas e com os pagamentos atrasados. Estamos dando continuidade às obras e fizemos mais três ruas, já pagas pela prefeitura e concluídas. Em sequência, terminamos a creche modelo com contrapartida da prefeitura, onde já iniciamos as aulas no meio de setembro. E estamos dando sequência também em três ECFs novos. Vamos inaugurar uma no próximo dia 6. Os outros dois até março de 2014. Vamos mobiliar todos com R$ 250 mil, um recurso que conseguimos de uma emenda do senador Luiz Henrique da Silveira, para equipar esses postos para não tirar dinheiro da prefeitura. Isso porque foi uma conversa de que nós não iríamos tirar um recurso sequer da saúde ou da educação, por exemplo, para investir em obras. Investimento em obra é importante sim, mas vamos usar a nossa influência para buscar esses recursos no governo do estado e no governo federal para que possamos investir em saúde, educação e social os recursos próprios da prefeitura. Na educação, implantamos em Braço do Norte, desde o início deste ano, a apostila do Positivo, que até então só tinha nas escolas particulares daqui, sendo que, além da mensalidade nas unidades privadas, que são muito boas na região, os alunos também pagam por bimestre até  R$ 150,00 pela apostila e nós distribuímos gratuitamente paro ensino do município, além de capacitar os nossos professores. Não deixamos de atuar em nenhuma área, nós simplesmente planejamos. E, para o próximo ano sim, temos muito forte a parte de investimentos. Conseguimos R$ 4 milhões do Fundam, um dos maiores recursos do estado, para que nós possamos melhorar a drenagem e a pavimentação da Getúlio Vargas – um dos pontos mais críticos de Braço do Norte. Vamos resolver. Também há R$ 2,5 milhões do Badesc, um financiamento com juro zero, para nós pavimentarmos a rua Irineu Bornhausen, que liga o cemitério ao Rio Bonito, passando pela creche modelo, e também uma rua que liga o asfalto do Pinheiral à rua Irineu, que vai ser um anel viário para desafogar o trânsito pesado do centro. Investimos muito nessas áreas. Temos trabalhado em todos os ângulos com deputados de todos os partidos e devemos conseguir, por emendas, mais R$ 2,5 milhões para a reforma do nosso estádio e outras obras. De um modo geral foi um ano puxado, mas onde o planejamento se mostrou eficiente. Um bom ano.
 
Notisul – O ano então vai fechar no verde?
Ademir – Sem sombras de dúvida, vamos fechar os compromissos em dia na parte organizacional, gastamos 25% na saúde nesse ano, e 29% na educação. Mas o nosso grande sonho desse ano, e uma conquista, foi o esgoto sanitário. Era uma cobrança muito forte e eu tive como prefeito em 2002, quando venceu o contrato com a Casan, a visão de fazermos uma ação compartilhada. Isso porque o município não tinha, não víamos nunca uma luz no fim do túnel, de termos a condição de fazer o esgoto sanitário. Então, na época nem o investimento para levar água a todos os cantos de Braço do Norte. Essa ação compartilhada, assumimos o compromisso com a Casan de levar água para a União, um bairro que faltava muito o líquido, e também no Rio Bonito, no alto do Morro da Floresta e no São Januário. A Casan assumiu esse primeiro compromisso e tinha que fazer o projeto do saneamento básico. E nesse período a Casan cumpriu isso. No meu governo levamos uma distribuidora de água até o bairro da União, então a água em Braço do Norte não faltou mais. Tínhamos uma água de qualidade e quantidade. Agora, eles realizaram um projeto muito bem feito de todo o saneamento básico e coube a mim, de estar nesse momento, quando buscamos desde o início do mandato, com muito apoio do Eduardo Pinho Moreira e do governador Raimundo Colombo e de toda a diretoria da Casan, encontramos e formamos a audiência pública para fazer o projeto e assinamos nesse mês e lançamos o edital, sinalizando R$ 18 milhões do banco francês, onde desse valor R$ 14 milhões é para a parte de tubulação e a segunda: R$ 4 milhões para a estação de tratamento, que é chamada de ETA.
 
Notisul – Esse projeto vai abranger toda a cidade?
Ademir – Nesse primeiro momento será coberto 52% de todo o comprometimento. Mas isso é o que precisamos inicialmente, depois não para mais. Vamos começar do Centro. Dia 20 de janeiro já vamos saber qual a empresa ganhadora. E logo em seguida já começa o processo. O dinheiro está na conta, então vamos sair na frente. Se não me engano, é o primeiro município do sul que vai ter esse investimento do banco Francês. Isso é um sonho. Porque sabemos que o esgoto sanitário é um dos investimentos que precisa ser feito. Santa Catarina, um estado de grande desenvolvimento em muitas áreas, no esgoto sanitário estávamos devendo isso para a população. É um esforço muito grande do governo federal, da Casan e o município acreditou. Desde a ação compartilhada, quando eu fui secretário de desenvolvimento regional de Tubarão eu já dizia, que enquanto os outros municípios buscavam, eu alertava, o caminho era a Casan. Porque eles tem o entendimento e tem o governo como avalista. E esse é um investimento que não é fácil do município fazer sozinho. Então podemos dizer que Braço do Norte foi presenteada com isso. É uma obra que ninguém vê. Ela fica em baixo do solo, mas para mim, essa é uma das obras mais importantes da história da cidade. Muita coisa foi feita e serão feitas. Mas essa ajuda na prevenção de doenças, vai fazer com que tenhamos uma folga nos investimentos da saúde. Porque essa parte vai ser a grande prevenção e qualidade de vida.
 
Notisul – Prefeito, outro grande sonho do município, é o Hospital. Como está o andamento da obra?
Ademir – Sem sombra de dúvida, é um sonho nosso. Tudo está bem encaminhado. O hospital é uma entidade filantrópica, mas tem um bom projeto e quando eu fui secretário regional na época, o governo era o Luiz Henrique, e foi sinalizado R$ 400 mil para o projeto. O hospital fez o projeto e agora já tem R$ 3,5 milhões do governo do estado investido ali. Agora o hospital está se mobilizando, com toda a sociedade e com o governo federal, para concluir aquela obra. Não é um hospital regional, e sim referência. Nós temos o hospital regional em Tubarão que atende muito bem. É um dos melhores do estado, me arrisco a falar do país. Só que nós precisamos desafogar o atendimento de lá. Então aqui teremos uma referência para nos especializarmos em média e baixa complexidade, porque hoje Tubarão atende muito bem a alta complexidade dos casos, mas está sufocado porque todos os outros atendimentos também vão para lá. Se nós conseguirmos atender toda a região do vale com esse hospital referência, nós vamos desafogar muito os atendimentos de Tubarão. Isso é um sonho para toda a região e Braço do Norte dá essa passo e já temos um investimento forte. As pessoas estão vendo que está construído e estamos fazendo com que isso desenvolva muito a região. A Saúde é uma área que precisamos desenvolver muito, a nível de Brasil e você vê que nas manifestações que tivemos nas ruas, a principal demanda era saúde. Sabemos que o povo Brasileiro é muito pacato, solícito, até muito paciente. Mas quando a saúde aperta, se desespera. Então o hospital tem feito essa parceria muito grande com a prefeitura..
 
Notisul – Outra obra de grande destaque aqui e que saiu foi a estrada do Pinheiral, como o senhor vê essa obra?
Ademir – É, essa é uma obra muito importante que tivemos aqui. Quando eu era secretário de desenvolvimento regional, lançamos essa obra, foi a única obra do interior de Santa Catarina. Muitas pessoas diziam que essa obra era fictícia, um sonho, e não sairia. Na época do governo Luiz Henrique então, nós lançamos essa obra. Eu recebi um processo por conta disso, eu minha mulher e o Charles Bianchini, porque falaram que era uma obra eleitoreira, que não iria sair do papel, logicamente fomos absolvidos e eu questiono a atitude de quem nos acusou. Essa obra vai ser inaugurada agora em janeiro. Foram quase R$ 10 milhões investidos pelo governo do estado. Iniciada pelo Luiz Henrique e depois a continuidade pelo Raimundo Colombo. Quando o Eduardo Pinho Moreira esteve aqui e disse que compromisso nosso não é compromisso de campanha foi isso que ele quis mostrar. A obra está aí. Eu antes de me candidatar para ser prefeito novamente eu falei para o doutor Eduardo que não tinha mais vaidade para ser prefeito. Já havia ocupado o cargo duas vezes, e só voltaria se pudesse ajudar mais as pessoas. E ele me questionou qual era a obra de grande importância que o município precisava. Citei a Getulho Vargas, uma obra de R$ 4,5 milhões e meio e que o município não tem como pagar. Ele me mandou assumir o compromisso e disse que iriam me dar. Muitos também diziam que era uma mentira, uma ficção essa obra. Nós já estamos com o convênio assinado, vamos começar em Março. Por isso que digo, nós como prefeitos temos que sonhar. Temos que ousar. Por isso eu e o Charles assumimos o compromisso de liderar e fazer mais e melhor. Logicamente precisávamos de parceiros que foi o governo de estado, os deputados da nossa região e outros deputados que quando apresentamos projetos bem elaborados, nos dão apoio. Acho que estamos no caminho certo. O trabalho tem que ser mostrado já no primeiro ano. Não adianta chegar no último ano querendo fazer muitas obras. Primeiro que não vai dar para terminar, e o povo esta cansado disso. Fim de ano é para colher os frutos. Nós queremos estar com essa primeira etapa da Casan já concluída.
 
Notisul – Prefeito, uma coisa que pode prejudicar o andamento de tudo, é que nós próximos três anos nós teremos a Copa do Mundo, as eleições e as Olimpíadas, o país para com isso tudo. Como o senhor vê essa questão?
Ademir – Não prejudica essas obras que conversamos, mas prejudica nos outros quesitos porque temos que aproveitar todos esses recursos até abril. A Copa do Mundo e as Olimpíadas também causam atraso isso e por isso que nós nos agilizamos em termos de projeto e buscamos os recursos. Temos que aproveitar esse montante para tocar o resto do ano. Porque depois disso, serão apenas os recursos repassados por obrigação, praticamente é isso. Prejudica muito essa pausa.
 
Notisul – Prefeito, dá para perceber que o senhor vai encarar grandes desafios nos próximos anos. O senhor teve diagnosticado nódulos na garganta, como está a sua saúde para encarar os próximos anos?
Ademir – Olha, graças a Deus, trabalho bastante e quase não penso nisso. Fiz todos os exames, e os nódulos eram benignos. Estou fazendo o tratamento, já me recuperei bem. Nesse início de ano vou tirar uns dez dias para tratar e recuperar bem isso e a minha preocupação maior era um calo nas minhas cordas vocais. Graças a Deus é apenas um calo e não um tumor. Agora, o Charles, que também está no planejamento, vai tirar alguns dias. Vamos prestigiar o poder legislativo, o presidente da Câmara, Ademir, vai assumir por 12 dias, é um grande parceiro nosso e depois então o Charles assume por mais 30 dias, e depois que o Carnaval voltamos a todo vapor! Lógico que temos que cuidar da saúde e esse é um recado que eu deixo para todos, aproveitando essa oportunidade. Quando passa de uma idade não se acredita nos exames. Graças a Deus está tudo sob controle e vai dar tempo de concluir todos os nossos projetos.
 
Ademir por Ademir
Deus – Tudo
Família – Tudo também.
Trabalho – Dignifica o homem
Passado – Olhar, mas mirar no futuro!
Presente – Viver intensamente
Futuro – Acreditar que será melhor
 
 
"Em abril, o país para e esse é o grande problema das eleições de dois em dois anos. Temos pouco tempo
para formar os convênios. Temos que fazer uma reforma política nesse sentido. Realmente tudo para".
 
"Eu sempre questiono: quem tem que ser processado é quem promete e cumpre ou quem promete e não cumpre"?
 
"Não dá para ser prefeito para fazer pracinha e pintar meio-fio. Braço do Norte foi contemplada com grandes obras e grandes ações".