Fernando José Luiz, 52 anos, é natural de Blumenau. O coronel atualmente comanda a 8ª região da Polícia Militar. É casado há cinco anos. Tem um casal de filhos, de 19 e 23, do primeiro casamento, que moram com a mãe, em Florianópolis. Fernando reside no quartel com a atual esposa. Prestou o concurso em 1979 para oficial em Santa Catarina. Assumiu o cargo de comandante em Tubarão no dia 15 de outubro, em substituição a coronel Edson Luiz Hosang.

Rafael Andrade
Tubarão

Notisul – Quantos policiais atuam hoje na região?
Fernando José Luiz
– O efetivo da 8ª região de Polícia Militar é de 630 policiais, que atuam em 19 municípios.

Notisul – Esta quantidade é suficiente para atender toda a população?
Fernando José Luiz
– Não é suficiente, mas vou usar o planejamento e comprometimento para fazer o melhor possível, e ter o padrão de segurança que a comunidade deseja e merece.

Notisul – Existe alguma estratégia para aperfeiçoar o trabalho?
Fernando José Luiz
– Teremos o mínimo de policiais na atividade administrativa e o máximo na operacional. Mas não basta apenas ter policiais nas ruas, eles precisam interagir com a comunidade, fazer pesquisas em relação à segurança em locais de maior movimentação de pessoas.

Notisul – Como o senhor vê o relacionamento da PM com a Guarda Municipal?
Fernando José Luiz
– A integração de todos os órgãos trará benefícios imediatos à comunidade. A parceria entre as polícias e a guarda da a sensação de segurança e agiliza todo o processo.

Notisul – Em relação aos programas preventivos, haverá continuidade e inovações?
Fernando José Luiz
– Estamos muito empenhados em dar continuidade e apoiar estes programas, que são de suma importância, pois a prevenção é a base para evitar que a marginalidade cresça.

Notisul – É possível fazer alguma coisa para combater o comércio e o uso de crack?
Fernando José Luiz
– É mais que um problema de polícia, é um problema de saúde pública. Temos que fazer um trabalho em conjunto entre todas as instituições – estado, prefeitura, governo federal. Para fazer o papel de ação de polícia no que cabe à atuação, e o encaminhamento para o tratamento. Não podemos nos conformar com a situação, e sim ter uma ação imediata. Faltam clínicas especializadas para tratar os dependentes químicos, o que dificulta muito.

Notisul – Existe alguma nova ideia para combater a criminalidade?
Fernando José Luiz
– Em 2005, quando estava no comando do batalhão de Balneário Camboriú, desenvolvi um projeto para ter nos condomínios um equipamento de rádio que opera com duas frequências, onde há comunicação entre todo o condomínio. Um programa via rádio dará informações para a central de emergências da Polícia Militar. Sendo assim, agiliza o processo da ocorrência, evitando muitos crimes. Cerca de 50 condomínios estão a princípio no projeto, que está em fase de conclusão.

Notisul – Existe a possibilidade de fazer parceria com outros tipos de câmeras já instalados?
Fernando José Luiz
– Já ocorre esse tipo de parceria em Criciúma. Quando a câmera dispara o alarme, joga a imagem para a central de emergência da Polícia Militar. O trabalho é de parceria, e não de concorrência, sendo que a polícia não faz segurança privada, e sim pública.

Notisul – Existe uma previsão para a conclusão das obras da central de emergência e quando começará a operar?
Fernando José Luiz
– Sugeri ao prefeito que fizéssemos uma visita ao secretário de segurança publica e ao secretario regional, para verificar a situação atual, o que o estado vai fazer, a contrapartida do município, e assim definir as próximas ações.

Notisul – Como será a Operação Veraneio este ano?
Fernando José Luiz
– Não recebemos ainda a documentação do comando geral. Recentemente, em reunião com os comandantes, pedi que fizessem a previsão de necessidades, recursos humanos e materiais. Devemos encaminhar na próxima semana ao comando geral a real necessidade da região. A polícia tem muito interesse em prestar segurança de qualidade, pois assim atrai mais turista, o que alavanca a economia.

Notisul – Na sua visão, o que a Polícia Militar significa para o cidadão?
Fernando José Luiz
– Esperança para resolver problemas comuns, especialmente de segurança publica.