Liliane Dias
Gravatal

 

Por se tratar de tratamento com reclusão, poucas foram as mudanças na rotina de instituições que atendem os dependentes químicos com a ‘entrada’ do coronavírus na região. Como os adictos já permanecem em isolamento social por escolha própria, poucos foram os ajustes necessários para continuar os trabalhos em tempos de pandemia.

Pela informação que passamos referente aos conteúdos que seriam abordados no início da série drogas, outras informações seriam repassadas neste mês. Em virtude do coronavírus, um conteúdo que passou a fazer parte da realidade ocasionou na alteração da sequência de informações.

O administrador e responsável técnico da Comunidade Terapêutica Renascer, Yury Sidney Mendes, conta que as visitas de familiares foram suspensas e algumas adaptações nos atendimentos dos internos precisaram ser feitas, mas nada que fugisse muito da rotina. “As visitas foram substituídas por telefonemas ou por videochamadas. Quanto aos acolhimentos, também estamos sem receber novos pacientes. Não podemos por ninguém novo na instituição”, explica.

Segundo o administrador é necessário proteger quem está na instituição. “A entrega de produtos e serviços relacionados como alimentação, saúde e higiene, medicamentos, tudo tem sido entregue no portão. E com os internos permanecem dois profissionais em revezamento, sem sair da instituição”, relata Yuri.

Além de as visitas terem sido suspensas, os atendimentos com profissionais de saúde como médico e psicológico, também sofreram alteração. “As consultas estão sendo realizadas por videoconferência. As receitas, quando necessárias, são retiradas pela pessoa que temos fora fazendo os trabalhos externos”, detalha o administrador.

De acordo com Yuri, o objetivo é de isolar ao máximo os internos, sempre respeitando as determinações dos governos do Estado e município. “Hoje estamos seguindo o protocolo do município e o padrão interno de proteção. As pessoas que aqui estão, permanecem isolados, até porque se ocorrer algum caso, terão que permanecer isolados também e permanecerão assim até segunda ordem”, pontua.

Antes do fechamento da matéria, a reportagem do Portal Notisul, procurou o responsável técnico da instituição para verificar se alguma orientação após a determinação do governo. Mas nada de novo havia sido repassado.

 

Outras matérias da série:

Série Drogas: Incidência ontem, hoje e amanhã

Série Drogas: a busca pela reabilitação deve partir do adicto

Série drogas: Coronavírus não os afasta da busca por ajuda

Série Drogas: reabilitação verdadeira ou passageira?