Coronavírus: a tecnologia a favor do ser humano, desde a busca pela cura passando pelas facilidades de trabalhar e estudar de casa.

Desde Janeiro de 2020 todos os canais de mídia noticiam diariamente sobre novos casos no mundo, e mais recentemente nas últimas semanas também no Brasil e na nossa cidade. Neste cenário, além dos riscos reais à saúde da população em geral e especialmente dos mais idosos, ainda precisamos aprender a conviver com um vírus muito mais perigoso: o fake news.

Inegavelmente devemos ter consciência que o Covid-19 é uma doença com alto grau de transmissão e também com uma real letalidade, especialmente entre os mais idosos e doentes crônicos. Portanto, é de se esperar que toda a população tome os cuidados necessários. Ademais, espera-se o mesmo dos governos e órgãos de saúde de todas as nações do planeta.

Neste contexto, acima de tudo, o mínimo que deve haver é transparência a fim de manter toda a população informada, e que esta seja via entidades reconhecidas e por meio de comunicados oficiais. Independente de gostarmos ou não dos governantes que estão afrente das prefeituras, estados e nação Brasileira, o certo é que nosso país tem transparência e divulga os casos conforme eles tem surgido. Contudo, muitos acabam tendo como sua principal fonte de informação os mensageiros instantâneos e as mídias sociais. (em outras palavras: whatsapp e facebook)

Cuidado com os áudios que você recebe e muito mais com os que você se dispõe a compartilhar. Inegavelmente o mundo já vive uma pandemia com consequências nunca antes registradas na história, então não precisamos tornar o clima ainda mais tenso.

 

Coronavírus – comunicação oficial

Antes de mais nada: “Nada de pânico! A situação já é crítica por si só e irá exigir muito de todos nós. Assim, devemos seguir na totalidade as orientações repassada pelos órgãos oficiais. Começando pela quarentena e cuidados básicos de higiene pessoal para mitigar sua transmissão. Assim sendo, busque as informações nos canais oficiais dos governos e entidades de saúde, além dos veículos de imprensa que agem com responsabilidade, assim como aqui no Portal Notisul.

 

Estatística Oficial pelo Ministério da Saúde

Notificação de casos de doença pelo coronavírus 2019 (COVID-19)

 

Coronavírus – teoria da conspiração

Sempre que não é possível ter uma explicação lógica, ou pelo menos compreensível, surgem as mais esdruxulas teorias. Assim ocorre há milênios. Somente nos últimos séculos com o avanço da tecnologia foi possível desmistificar muitos mitos e apresentar as devidas provas científicas. Mas mesmo assim, ainda há quem acredite que a terra é plana, dentre muitas outras crendices. E por mais que praticamente nesta semana só se fale no coronavírus (Covid-19) em todos os meios e rodas de conversas, muitas “teorias da conspiração” surgem também neste campo da ciência.

Talvez a principal delas seja em relação ao número de casos confirmados, pois enquanto o governo divulga os números oficiais, há quem afirme que na verdade esta contabilidade está errada e subdimensionada.  Isto é, eles afirmam que o número de casos é muito maior do que o divulgado, e de certa forma isso é verdade. Mas não por má fé e nem para “esconder” casos.

O que acontece é que a contabilidade oficial só ocorre quando o exame é realizado por laboratórios oficiais. Já  os casos confirmados, mas feitos em laboratórios particulares,  carecem de contra-prova oficial para então serem contabilizados. Ou seja, só uma questão de metodologia e não de conspiração.

Outra teoria tão forte quanto é a origem do vírus, que “afirmam” ter sido criado em laboratório. Outro mito!

Em uma publicação em 17 de Março de 2020 (The proximal origin of SARS-CoV-2), na revista Nature Medicine , foi divulgado que o Covid-19 é uma evolução natural  e oriundo da mutação de outros tipos de vírus da mesma família, e os seres humanos passaram a ser seu hospedeiro depois de uma “seleção natural”. Ainda, o mesmo estudo descreve os pangolins malaios como sendo o possível hospedeiro animal que transmitiu para o homem.

 

Coronavírus – mapeamento genético

Talvez esta seja uma das doenças em que “as vacinas” estejam sendo desenvolvidas quase tão rapidamente quanto a identificação do vírus em humanos. Isso está sendo possível novamente graças ao avanço tecnológico.

Um primeiro passo é o sequenciamento genético do vírus, o que se tornou fácil e rápido. O que hoje consome poucos dólares e é feito em um tempo muito reduzido, no início consumiu investimentos na casa dos bilhões e décadas de estudos.  No caso do coronavírus, o seu sequenciamento genético foi realizado aqui no Brasil em apenas 48 horas pelas cientistas brasileiras  Ester Sabino e Jaqueline Goes de Jesus. Graças a estes estudos e sequenciamento do vírus, enquanto escrevo este texto leio notícias que a China já autorizou o teste em humanos de uma nova vacina contra o Covid-19. Agora é aguardar e esperar o sucesso destes testes.

 

Coronavírus – o mundo parou

Embora o coronavírus apresente uma reduzida taxa de letalidade, possui uma elevada taxa de transmissão. Desta forma, em menos de 3 meses desde que o primeiro caso foi diagnosticado na China, ele já se espalhou para todo o planeta contagiando na casa das centenas de milhares de pessoas e levanto a óbito na casa da dezena de milhar.

Por este motivo, estamos presenciando respostas dos governos mundiais que nunca haviam ocorrido na história do planeta terra, nem mesmo durante a grandes guerras. Entre estas ações, já está vigorando em muitos países e de forma simultânea, a suspensão das aulas, fechamento das fronteiras, isolamento de cidades inteiras, fechamento de lojas e fábricas, cancelamento de transporte de passageiros (aéreo, terrestre e marítimo), dentre muitas outras ações. O mundo inteiro está parando com o intuito de conter a disseminação, ou pelo menos torná-la mais lenta.

Há quem dirá que o Pai do Rock Brasileiro, o Maluco Beleza Raul Seixas estava certo,  pois em 1977 ele lançou a canção: O Dia em que a Terra Parou.

O Dia Em Que a Terra Parou

(Raul Seixas)

Essa noite eu tive um sonho

De sonhador

Maluco que sou, eu sonhei

Com o dia em que a Terra parou

Com o dia em que a Terra parou

Foi assim

No dia em que todas as pessoas

Do planeta inteiro

Resolveram que ninguém ia sair de casa

Como que se fosse combinado em todo

O planeta

Naquele dia, ninguém saiu de casa, ninguém ninguém

continua […]

 

Coronavírus – e o home office

Forçosamente bilhões de pessoas estão reclusas em suas próprias casas sem poder sair nem mesmo para trabalhar. Tudo isso para frear a disseminação do Covid-19. Uma ação drástica que os governantes afirmam ser necessária. Independente de concordarmos ou não com ela, é a realidade do momento. Deste modo, muitas empresas estão se organizando e proporcionando que seus funcionários trabalhem em home office, ou seja, a partir de suas casas.

Talvez esse não seja o melhor modelo a ser adotado por todas corporações, mas certamente após cessar a pandemia muitos acabarão adotando ela como regra. Não é uma tarefa fácil, pois há necessidade de ter um ambiente preparado (com internet, combinado familiar, entre outros fatores), respeitar a rotina, e acima de tudo manter o foco no trabalho uma vez que série preferida pode estar a um clique de distância.

Todavia, também apresenta grandes vantagens, entre elas, o menor fluxo de pessoas entre suas residências e locais de trabalho com um melhor aproveitamento do seu dia, e ainda menos trânsito e por consequência menos poluição nas cidades. Só para citar alguns pontos positivos.

Mas lembre-se, home office é trabalho em casa, e não descanso do trabalho.

 

Coronavírus – o que fazer em casa?

Segundo a Unesco, já passou de 850 milhões de alunos privados de suas aulas presenciais. Possivelmente você ou alguém da sua família se encontra nesta situação.  Fora os trabalhadores que também estão em quarentena em suas casas.

Por mais que as escolas estejam se esforçando para disponibilizar os conteúdos nos meios digitais, sempre haverá uma ociosidade. E o que faze neste tempo livre? Nem pense em ir para a praia ou para locais de entretenimento, pois ou estarão fechados ou você estará correndo riscos desnecessários.

Então que tal dedicar um tempo para atualizar aquelas leituras atrasadas? Selecionar bons filmes e documentários nos seus serviços de streaming, além de fazer aquela limpeza nas gavetas que você vem protelando a anos? Mas pelo que tudo indica ainda sobrará muito tempo livre até que a situação se normalize, então, outra dica é aproveitar este tempo para se qualificar por meio das plataformas digitais, tanto as gratuitas quanto as pagas.

 

Cuide tanto de sua saúde física quanto mental, e aproveite bem sua quarentena.