Milhares de brasileiros continuam de férias, pelo menos as escolares, e assim, dispõem de um tempo a mais que pode ser dedicado para atividades recreativas como a leitura, que foi o tema dessa coluna na última semana, e também para assistir bons filmes. Hoje contarei com a ajuda do meu amigo Pedro Gonçalves, editor do site http://pessegoatomico.com.br/ e host do Pessego Podcast (https://pessegoatomico.podbean.com), um verdadeiro “nerd” quando o assunto é filmes e livros de ficção científica (sci-fi), fantasia  e literatura. Veja a indicação de filmes que ele traz para tornar nossos dias de férias muito mais “produtivos”. 

FILMES DE FICÇÃO CIENTÍFICA

• BLADE RUNNER: 

E se androides chegassem a tamanha perfeição que o mais apto teste para identificá-los começasse a falhar? Não só isso, e se esses androides tivessem memórias falsas que até mesmo eles poderiam viver como humanos sem saber o que de fato são? Como viveríamos e de qual forma a polícia trabalharia para prender esses humanoides com vantagens físicas e lógicas em comparação aos humanos?

 A adaptação para os cinemas do livro de Phillip K. Dick pelo diretor Ridley Scott teve nítidas divergências da obra original, entretanto o filme foi um marco para ficção científica e o ponto chave para a criação do visual cyberpunk/ futuro distópico onde mescla uma aparência pós apocalíptica com elementos futuristas. 

O filme de 1982 infelizmente não pode ir com sua versão original aos cinemas, pois a produtora achou que seria “complexo demais” aos espectadores. Com a versão do diretor sendo lançada dez anos depois. 

* Recomenda-se assistir a versão do diretor. 

• MATRIX:

Com duas sequências desnecessárias e focadas na ação, o primeiro filme da franquia MATRIX de 1999 foi tão importante para ficção científica que até hoje sua filosofia é debatida nos mais diversos cursos. A história do jovem programador Neo ilustrou toda uma realidade onde as máquinas tomaram o poder e a nossa visão de mundo não passa de uma ilusão programada, ou seja, tudo que vivemos, experimentamos e sentimos são elementos criados por máquinas, sendo algumas sensações e fatos estranhos do dia a dia, erros rápidos na programação, falhas na Matrix. 

A ideia de nossa realidade ser manipulada é antiga, mas a forma com que as irmãs Wachowski trabalharam revolucionou não só a crítica e ficção, como também o cinema ao se tratar de efeitos especiais, com diversos filmes logo em seguida querendo replicar os efeitos utilizados. Não apenas isso, muitos levam a teoria do domínio das máquinas bem a sério. 

• 2001 – Uma Odisséia no espaço:

Um clássico da ficção científica e oscarizado pelos seus incríveis efeitos visuais, 2001 é uma obra co-criada entre o visionário diretor Stanley Kubrick e aclamado escritor Arthur C. Clarke em 1968, pois enquanto Kubrick focava no filme, Clarke focava no livro, lançado logo após o longa e mantendo o mesmo nome, mas com detalhes bem diferentes. Kubrick focou em uma experiência visual e que beirava o surrealismo, enquanto Clarke trabalhou e detalhou melhor alguns pontos importantes da história, como o famoso monólito, cena que marcou o cinema.  

Por ser um filme focado no trabalho visual e auditivo, são pouquíssimas as falas, mas com cenas feitas para uma reflexão profunda desde a Aurora do homem até Além do infinito. Sua tecnologia foi tão revolucionária para ficção científica que até hoje o filme é considerado o avô do gênero, servindo de base para todos os outros diretores que vieram posteriormente, esses dizendo que 2001 matou a ficção científica até então e renovando o que se entendia por isso, deixando um legado que constantemente tenta ser superado.

• STAR TREK / JORNADA NAS ESTRELAS: 

Criada em 1966 por Gene Roddenberry, as aventuras da tripulação da U.S.S Enterprise marcou a ideia de ficção científica ao mostrar os exploradores em viagens longas para desbravar lugares desconhecidos no espaço. Não apenas isso, a série uniu as aventuras e roteiros que mesclavam momentos nas naves e em planetas diversos com críticas a sociedade dos anos 60, e dessa forma suas sequências exibidas até hoje fazem críticas a suas sociedades atuais. 

Críticas ao racismo, intolerância, ignorância, ao autoritarismo e aos mais diversos preconceitos apareciam de maneira nítida e bem colocada em meio ao contexto dos roteiros, considerados até hoje ousados, inovadores e de uma representatividade importantíssima e inspiradora, visto que muitos atores entraram na profissão após se surpreenderem com o que Star Trek mostrava. 

Em uma visão um tanto utópica de nossa sociedade futura, a Frota estelar é composta por diversas espécies com foco de levar o desenvolvimento científico e social para outras nações, tão como manter a paz entre os planetas em conflito. Além das ações, efeitos, histórias e noções físicas utilizadas, Star Trek foi e é o berço de muitas ideias de utensílios que tornaram-se realidade anos depois. Google Lens, touchscreen, celulares/comunicadores pequenos e portáteis, chamadas em vídeo, entre muitas outras coisas apareceram nos vários episódios da franquia e hoje fazem parte de nosso dia a dia. 

• METRÓPOLIS:

O filme alemão de Fritz Lang que adapta o livro de sua esposa Thea von Harbou revolucionou não a ficção científica e sim o Cinema. A grandeza da produção foi tamanha que Hitler queria Lang trabalhasse para ele em seus filmes, fazendo com que o diretor fugisse da Alemanha para não ser forçado a compactuar com tal regime. 

Em 1927 imaginarmos cidades futuristas, passando-se em 2026, com arranha céus tecnológicos e gigantescos, metrôs e trens elétricos de extrema velocidade e até mesmo monotrilhos, aerotrens e robôs com a capacidade de receberem a semelhança de um humano real. Entretanto, o grande ponto da história é em meio a toda essa sociedade futurista e “próspera”, enquanto uma elite vive tranquila na superfície, no subsolo os trabalhadores são obrigados a operarem frenéticos para garantir  energia à cidade. Maria, uma das operárias, possui um discurso de que em breve viria um mediador, que conseguiria fazer as duas classes se unirem e trabalharem em conjunto, apaixonado pela beleza da moça, um dos moradores da superfície acredita que pode ser esse mediador, mas nada é tão fácil como se imagina. 

A história é repleta de críticas a sociedade da época, e muitas ainda são atuais, mas não apenas isso, sua direção que como dito, revolucionou o cinema de forma impressionante, com elementos e cenas que até hoje custamos a crer que foram feitas em 1927, previu máquinas e funcionamentos que hoje já é realidade em muitos lugares. 

• O EXTERMINADOR DO FUTURO 1 & 2 – O JULGAMENTO FINAL:

4 de Agosto de 1997, o Sistema entra online. 

29 de Agosto de 1997, o julgamento final acontece. 

Skynet utiliza do arsenal militar, primeiro dos E.U.A e Rússia para matar metade do mundo. 

Os dois longas originais dirigidos pelo próprio criador, James Cameron (Titanic, AVATAR), traz com a intensidade necessária para um filme de ação e ficção científica outra crítica ao domínio das máquinas. 

Como seria se a inteligência artificial dominasse e reconhecesse que o principal perigo ao planeta é o ser humano? Com essa lógica as máquinas evoluem e com seus soldados a raça humana é exterminada. Contudo, John Connor é a salvação da Raça humana, e para evitar que ele nasça, as máquinas transportam no tempo um desses robôs para exterminar a mãe de John, Sarah Connor. No mesmo raciocínio, John Manda Kyle Resse, um de seus melhores soldados, para salvar Sarah do Robô enviado. 

Exterminador do Futuro é considerado pelos críticos e pelo público como um marco e um dos precursores do gênero ficção científica, e por essa importância foi selecionado em 2008, para ser preservado na National Film Registry. O filme impulsionou  James Cameron e  Arnold Schwarzenegger nos cinemas, permitindo com que Cameron dirigisse outros grandiosos filmes, e que Schwarzenegger estrelasse outros filmes de ação. 

Já sua sequência de 1991, Exterminador do Futuro 2 – O Julgamento Final, Cameron ousou ainda mais ao contar a história de Sarah e seu filho John Connor que precisam fugir de um exterminador mais capaz e veloz que os que a perseguiu no primeiro filme. O filme foi o longa mais caro, ambicioso  e mais bem sucedido da história na época. A crítica e grande público aclamaram o filme que então entrou para lista do American Film Institute como Um dos melhores filmes de ficção científica e ação de todos os tempos. Foi indicado a seis categorias no 64ª cerimônia do Oscar (1992)  vencendo nas categorias de  Melhores Efeitos Especiais, Melhor Maquiagem, Melhor Edição de Som e Melhor Mixagem de Som.

O sucesso do filme reforçou o que Cameron mostrou no primeiro filme com sua ousadia e utilização de efeitos especiais, permitindo assim que os grandes estúdios investissem em seus futuros filmes como TITANIC e AVATAR, ambos chegando a ser os filmes mais bem sucedidos da história em seus respectivos lançamentos. 

DICA EXTRA

• PERDIDO EM MARTE:

A adaptação por Ridley Scott (Blade Runner) do livro homônimo de Andy Weir com certeza merece estar na lista. O longa foi considerado um dos filmes de ficção científica mais fisicamente precisos de todos os tempos, com uma produção que trabalhou com diversos cientistas da própria NASA, para dar maior veracidade aos elementos apresentados. Não só isso, a Agência Espacial, confiante no que apresentaram em cena, utilizou cenas do filme para divulgar uma de suas missões. 

Na história, a tripulação da missão espacial Ares 3 recolhem materiais no planeta Marte em Sol 18. Porém, em uma forte tempestade, no momento em que estão abortando a missão, o Botânico Mark Watney é atingido por destroços e se perde da tripulação, assim sendo dado como morto. Registrando sua rotina em vídeo, Mark começa a catar os destroços para criar um abrigo. 

Com os conhecimentos de Botânica e engenharia, cria uma estuda no interior de seu alojamento, utilizando do solo marciano, de fezes, água produzida a partir de hidrazina e de tal forma cultiva batatas. O alimento é o suficiente para que nesse tempo ele analise o local e as explorações antes feitas, para tentar fazer contato com a NASA, e sobreviver até a missão Ares IV, que chegará daqui há 4 anos. 

O filme possui uma trama encantadora, ótimos efeitos visuais, e ainda por cima trabalha muito bem as noções de física e engenharia necessárias nas missões espaciais, transmitindo-as de forma fácil de compreendermos, em um roteiro muito bem escrito. 

Aproveite suas férias, viaje, descanse, passeie, e quando quiser relaxar, leia um bom livro e assista um bom filme. “A vida imita a arte, ou será a arte que imita a vida? ”