Paulo Guerrero, um dos vigilantes baleados em uma troca de tiros com bandidos em um assalto a um ônibus que transportava lojistas de Pelotas a São Paulo, não resistiu e morreu. Ele trabalhava na Escolta Soares, deixa esposa grávida de gêmeos e um filho. 

“Por infelicidade do destino, um vigilante da escolta ficou gravemente ferido e não resistiu, nosso pesar à família, equipe de vigilância e amigos. A polícia investiga o fato. Aos familiares das vítimas do assalto, amigos e conhecidos da MHT Turismo agradecemos o contato e carinho de todos vocês. Ficamos à disposição para maiores esclarecimentos”, emitiu a empresa em nota. 

Entenda:

Dois ônibus de turismo foram assaltados por homens armados na BR-116, km 37, em Campina Grande do Sul, no sentido Curitiba-São Paulo, próximo à Represa do Capivari, por volta das 18h30min desta quarta-feira (28). Houve troca de tiros entre eles e os vigilantes da empresa de escolta que acompanhavam os veículos. 

Dois vigilantes foram feridos no tiroteio – um deles ficou em estado greve e morreu (Paulo Guerrero). 

Os ônibus seguiam de Pelotas, no Rio Grande do Sul, para São Paulo, em direção ao Brás, local de compras na capital paulista. Dinheiro e pertences dos passageiros foram levados pelos assaltantes, que ainda não foramm encontrados.