"Do jeito que as coisas vão, qualquer um de nós que estiver uniformizado e sem o aparelhamento devido, torna-se um alvo, pois não oferecemos resistência". Adailton do Livramento, diretor da Guarda Municipal de Tubarão.

Mirna Graciela
Tubarão

A Guarda Municipal de Tubarão (GMT) não estará hoje nas ruas da cidade. E nem nos próximos dias. A informação é confirmada pelo diretor da GM, Adailton do Livramento (foto). Para ele, após a morte do guarda Marcelo Goulart Silva, 33 anos, assassinado a tiros na última semana, continuar a guarnecer a cidade sem equipamentos adequados é impossível.

Hoje à tarde eles reúnem-se com o secretário de segurança e trânsito da prefeitura, Toni Bittencourt, para definir os próximos encaminhamentos. O diretor informou que os trabalhos estarão voltados para o desenvolvimento de projetos. “Ficaremos na parte administrativa. Vamos pressionar por verbas para que o município consiga adquirir os equipamentos de segurança”, antecipa.

A intenção é buscar adesão ao Programa Nacional de Segurança Pública (Pronasp) e viabilizar recursos através da Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp). Nos próximos dias as ações também serão direcionadas à implantação do projeto Gabinete de Gestão Integrada. “O principal objetivo é juntar todas as esferas da área de segurança pública para debater o setor, elencar as prioridades e enviar a lista de prioridade à Senasp”, detalha Adailton.

A produção de um diagnóstico de segurança pública em Tubarão é outra tarefa a executar pela GM neste momento. “A criminalidade não é somente praticada por pessoas daqui, também vem de outras cidades”, lamenta o diretor do grupo.