Rafael Andrade
Gravatal

O objetivo era incrementar a renda familiar, com um ‘bico’ durante as férias, mas o destino reservou uma tarde cruel à família Peters, de São Ludgero. Flávio Peters, 21 anos, e o seu pai, Antônio Martinho Peters, o Alemão, 44, trabalhavam em uma obra de construção de uma rede de esgoto no loteamento Bento, na comunidade de Termas do Gravatal. Eles foram soterrados, ontem, às 15 horas.

O local onde eles estavam tinha 3,5 metros de profundidade por 1,2 metro de largura. Mais de uma tonelada de terra caiu sobre pai e filho. Resultado: Flávio morreu e Antônio teve ferimentos graves. De acordo com o tenente Rafael Fortunato Camilo, do 8º Batalhão do Corpo de Bombeiros Militares de Tubarão, não havia a segurança necessária para conter os paredões de 3,5 metros. “A terra estava ‘fofa’ com as chuvas que caíram na semana passada. Neste tipo de escavação, tem que haver uma proteção lateral para evitar o deslizamento”, ensina Rafael.

Mais de 20 bombeiros de Braço do Norte, Capivari de Baixo e Tubarão trabalharam na ocorrência. Após o acidente, em menos de 30 minutos, o sobrevivente foi resgatado e encaminhado ao Hospital Nossa Senhora da Conceição (HNSC), em Tubarão. Ele teve fratura exposta no pulso e luxação em uma perna, além de outras escoriações pelo corpo. O seu quadro de saúde é estável e ele não corre risco de morte.
Flávio era funcionário do Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto (Samae) de São Ludgero e estava de férias. Ele tinha experiência em construção de rede de esgotos.

“Perdi um colega
e ótimo profissional”

A declaração é do amigo e colega de trabalho da vítima, Jackson Buss. Ele é diretor do Serviço Autônomo Municipal de Água e Esgoto (Samae) de São Ludgero. Jackson é vizinho do Loteamento Bento, onde Flávio morreu soterrado. “Nós, do Samae, perdemos um colega de trabalho, mas acima de tudo um amigo e batalhador”, resume Jack, como é conhecido.