Tubarão

O déficit carcerário no Presídio Regional de Tubarão já ultrapassa 200 vagas. A superlotação é evidente. Para minimizar a situação, o diretor, Ricardo Welausen, trabalha no para transferir sete presos esta semana.

Neste primeiro mês do ano, mais de 15 homens e mulheres foram detidos pela polícia e encaminhados ao presídio tubaronense. “O número da população carcerária cresceu muito. Não é uma realidade só de Tubarão. Nos meses de dezembro e janeiro, é comum este aumento. Mas, para minimizar o nosso problema, trabalho na transferência, de pelo menos, sete presidiários”, explica Ricardo.

Três pertencem à comarca de Xanxerê, no oeste. “A situação deles é complicada. Mesmo assim, vou tentar transferi-los, mas preciso de escolta da PM até lá. Fica complicado mexer no efetivo da polícia, mas é necessário”, justifica Ricardo.
Os outros quatro presidiários são da região e as transferências são mais viáveis. “É só informar o juiz responsável e solicitar a autorização”, informa Ricardo.

A última transferência de detentos do presídio de Tubarão ocorreu no dia 20 de outubro. Mais de 30 foram transferidos ao Presídio Santa Augusta e à Penitenciária de Criciúma e Unidades Prisionais Avançadas (UPA) de Laguna e Imbituba. Na época, a unidade tubaronense estava com 260 detentos. A capacidade é para 60.