As balas atingiram as portas do motorista e do banco traseiro do veículo. A menina estava atrás, em uma cadeirinha
As balas atingiram as portas do motorista e do banco traseiro do veículo. A menina estava atrás, em uma cadeirinha

Tubarão

O assassinato da menina Ana Carolina Alexandre Sorato, de 5 anos, em Tubarão, neste domingo, causou uma grande comoção popular. E não poderia ser diferente. A garota morreu em função de desavenças de grupos criminosos que atuam no tráfico de drogas nos bairros Oficinas, Cruzeiro e Fábio Silva. 
 
Ela estava dentro de um Corsa e o veículo foi alvejado no bairro Dehon, por volta das 17h30min. Em coletiva ontem à tarde, o delegado responsável pela Divisão de Investigação Criminal (DIC), Rubem Antônio Teston da Silva, deixou claro que a apuração dos fatos está adiantada. 
 
“O que ocorreu é inaceitável. Nosso trabalho é coibir este tipo de ação e prender os responsáveis. As investigações serão concluídas de forma que não sobre dúvidas de quem cometeu este crime”, avisa Teston. 
 
Conforme ele, as quadrilhas são investigadas há um bom tempo, mas as tentativas de homicídios e os assassinatos se intensificaram neste ano, não somente em Tubarão, mas também em outras cidades da região. Uma morte ocorreu em março em pleno Carnaval, em meio à multidão, no Balneário Camacho, em Jaguaruna, quando um homem de 30 anos foi baleado. 
 
Outro homicídio foi registrado no mês passado, no Morro do Caeté, no bairro Oficinas, onde um rapaz de 23 anos foi alvejado. Na última terça-feira, uma tentativa de assassinato no bairro Cruzeiro, resultou em um rapaz de 23 anos em estado grave. Ele resistiu.
 
As informações da Polícia Civil apontam que o ‘alvo’ seria o pai da garota. “Mas estes criminosos não têm nenhum tipo de critério, ele não estava no carro, atiraram sem direcionamento. Eles são um grupo extremamente violento, disparam contra um desafeto, sua família, crianças”, indigna-se o delegado.  
 
A morte da menina
O crime que chocou a população de Tubarão foi registrado por volta das 17h30min deste domingo. A mãe de Ana Carolina dirigia um Corsa na rua Simeão Esmeraldino Menezes, no bairro Dehon, quando o motorista do outro veículo (supostamente um Renault Logan) interceptou o seu automóvel. 
Os tiros foram efetuados em direção à porta da motorista e do banco traseiro. A menina estava atrás. Um adolescente de 17 anos também foi baleado na perna e não corre risco de morrer. 
A condutora e uma jovem de 20 anos saíram ilesas. Não há informações de quantas pessoas ocupavam o Logan. Quando os bombeiros militares chegaram, a mãe – aos prantos – estava com a criança no colo e a entregou aos socorristas. A menina já estava morta. 
Ela foi sepultada ontem, em outra cidade, e o local de seu velório foi modificado, pois seus familiares temem novas investidas. As especulações de que dois parentes sofreram tentativas de homicídio (tiros) ao saírem da Divisão de Investigação Criminal (DIC), na noite deste domingo, após prestarem depoimento, foram descartadas pelo delegado Rubem Teston.  
 
Pai da vítima já sofreu 3 tentativas de homicídio
O pai da criança assassinada tem 25 anos, sofreu, ao menos, três tentativas de homicídio. No ano passado, ele foi alvejado nas imediações do Morro da Catedral, no centro de Tubarão. 
No dia 5 de junho de 2013, por volta das 22 horas, o homem saiu do centro de atividades da igreja com a família, onde participava de um curso de batismo. Sua esposa e o filho, um bebê de três meses, aguardavam na porta, enquanto ele manobrava o carro. 
Ao entrar no veículo, foi baleado. Em outra tentativa, em 2012, a vítima estava em seu local de trabalho, no bairro Cruzeiro. As investigações indicam que o pai da menina não pertence a nenhuma facção criminosa.