Mirna Graciela
Tubarão

Um encontro esta semana, promovido pelo Conselho Municipal de Segurança de Tubarão, traçou algumas ações que serão levadas ao juiz de execução penal Elleston Canali, no dia 30 deste mês. A tomada de medidas para a ressocialização dos detentos do Presídio Regional de Tubarão, principal problema a ser discutido, também entrará na pauta do encontro com o juiz.

Durante a reunião desta semana, uma continuação do encontro ocorrido no dia 16 do último mês, temas como melhorias na saúde, educação e trabalho para os detentos foram discutidos. Na saúde, que ficou sob a responsabilidade do presidente do conselho, Maurício da Silva, houve avanços.

“Fiz um contato com a Unisul, que acenou positivamente. A universidade prontificou-se em ajudar por meio dos cursos de medicina, odontologia e enfermagem. Falta agora um diagnóstico da direção do presídio do que eles realmente necessitam, e a definição de como e quem vai transportá-los até a Unisul”, detalha Maurício.
Estiveram presentes representantes da Polícia Militar, Corpo de Bombeiros, secretarias da assistência social e de trânsito da prefeitura, OAB, Adocon, conselho comunitário da caixa d’água, Senac, conselho do bairro Passagem, escola Bertoldo Zimmermann e Vicentinos da Catedral.

Outras ações entraram em discussão

O agendamento de uma reunião com o prefeito Manoel Bertoncini e a secretária de assistência social da prefeitura, Vera Stüpp, para obter o posicionamento sobre o gerenciamento do Centro de Internação Provisória (CIP), foi solicitado no encontro desta semana do Conselho Municipal de Segurança.

“É necessário discutir esse assunto para acabar de uma vez com essa questão”, afirmou o presidente do conselho, Maurício da Silva. Outro tema abordado diz respeito à formação de uma comissão com os membros do Conselho Municipal sobre Drogas (Comad), da Associação Regional de Engenheiros e Arquitetos de Tubarão (Area-TB) e da Fatma.

Este grupo vai verificar a viabilidade, bem como as condições de localização, de um terreno para a construção de uma clínica de tratamento para dependentes químicos. A avaliação entre Combentu, Centro de Integração Empresa Escola (Ciee), Senac e Senai, sobre a adesão de empresas à Lei do Menor Aprendiz, também foi discutida.