Tubarão

A tubaronense Eliane de Castro, 38 anos, continua as buscas pelo menino de 3 anos que estava sob sua guarda provisória desde de 2007. Segundo Eliane, a criança foi raptada pela mãe biológica, 33, na frente da creche onde estudava, em Tubarão.

As duas participariam de uma audiência no fórum de Tubarão na próxima quarta-feira. “Seria o dia em que eu poderia dizer que era sua mãe definitiva, a sua mãe adotiva. Neste dia, a justiça poderia me conceder a guarda permanente dele”, explica Eliane.

Ontem de manhã, uma mulher que se identifica como advogada da mãe biológica enviou um e-mail ao Notisul afirmando que não houve rapto. O Notisul abre espaço para a resposta da mãe biológica. Por enquanto, não houve contato.

O menino veio morar com Eliane, no centro de Tubarão, há pouco mais de três anos, quando tinha um mês de vida. A mãe biológica estava presa em Florianópolis por tráfico internacional de drogas. Ela foi flagrada em sua casa com pouco mais de três mil comprimidos de ecstasy presos com fitas colantes ao seu corpo. Ela é natural da República Dominicana e teria trazido a droga da Europa, onde morou por alguns anos.

O desaparecimento da criança foi registrado na Delegacia da Criança, do Adolescente e de Proteção à Mulher e ao Idoso de Tubarão, no Departamento de Investigações Criminais e Polícia Federal da capital.