O dono ainda não tinha sentido a falta dos objetos furtados   -  Foto:Polícia Civil de Braço do Norte/Notisul
O dono ainda não tinha sentido a falta dos objetos furtados - Foto:Polícia Civil de Braço do Norte/Notisul

 

Braço do Norte
 
O número de crimes praticados por adolescentes está assustador. Ontem, mais um menor, de 17 anos e 11 meses, foi apreendido com objetos furtados, em Braço do Norte. Acompanhado do pai, ele foi conduzido à delegacia. E foi liberado, mas responderá ao ato infracional por meio de um boletim de ocorrência circunstanciado (BOC). 
 
Com informações de que uma pessoa tentava vender uma motosserra, uma caixa de som amplificada e microfones na comunidade de Morro da Formiga, os investigadores deslocaram-se ao lugar. Em buscas, localizaram o menor. Ele alegou que havia trocado os objetos por um pássaro silvestre da espécie papa-banana.
 
Após tentar aplicar mais mentiras, o adolescente confessou ter furtado os objetos de seu ex-patrão, na divisa da cidade com São Ludgero. Os policiais foram até a casa do homem, que ainda não sabia do furto. 
Os seus pertences foram recuperados. Os trabalhos foram realizados pela equipe de investigação de Braço do Norte, coordenada pelo delegado Francisco Ribeiro. 
 
Garoto de 9 anos acompanha outro menor em assalto
Infelizmente, a cada dia é notável a presença de adolescentes na criminalidade. Ontem à tarde, em Criciúma, um menor de 14 anos, armado, assaltou uma padaria. O pior: em sua companhia, estava um garoto de apenas 9 anos. 
Na fuga, os dois foram apreendidos pela Polícia Militar. Depois, encaminhados ao Conselho Tutelar. Na quarta-feira, em Tubarão, dois adolescentes de 14 e 15 anos foram apreendidos pelos policiais da Divisão de Investigação Criminal (DIC), no Morro do Bem Bom, no bairro São João (ME). Ambos são considerados de alta periculosidade pela polícia. Um deles já cometeu homicídio e outro faz parte de um grupo de traficantes. 
O mais novo era foragido do Centro de Atendimento Socioeducativo Provisório (Casep) da cidade, para onde voltou. O outro foi conduzido à delegacia da criança, do adolescente, e de proteção à mulher e ao idoso. Estava em sua posse uma motocicleta Honda CG 125, sem placa de identificação, e com o número de chassi adulterado (raspado). 
 
O que diz o ECA
De acordo com o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), crianças até 11 anos são encaminhadas ao Conselho Tutelar. Acima desta idade, a condução é para uma delegacia especializada, onde respondem a um boletim de ocorrência circunstanciado (BOC).