Rafael Andrade
Tubarão

Para quem acompanha todas as ‘edições’ da novela intitulada câmeras de segurança em Tubarão, sabe que já houve dezenas de promessas e incertezas. O capítulo final tem tudo para ser concluído apenas no próximo ano.

Há dois meses, houve um acordo entre a prefeitura de Tubarão e a Secretaria de Segurança Pública (SSP) do estado. O ‘aperto de mãos’ deu a entender que a Central de Vídeo Monitoramento da cidade, setor obrigatório para o início do sistema, ficaria pronto em breve. Mas não houve progresso nas tratativas.

Uma nova reunião entre os responsáveis pela reforma da central ocorrerá na próxima quinta-feira. No encontro, o acordo deve ser debatido novamente e a verba inicial para a obra poderá ser liberada.

Conforme o prefeito Manoel Bertoncini, o dinheiro destinado ao convênio de trânsito deverá ser aplicado no sistema, uma vez que o resultado irá beneficiar setores de segurança do poder municipal, já que, além do monitoramento de possíveis crimes, haverá fiscalização viária 24 horas por dia.

Entre os pontos que poderão receber as oito câmeras, já compradas, estão a rua Lauro Müller, o calçadão e a sede da administração municipal. “Além disso, é possível firmar parcerias com algumas empresas da cidade, como shoppings e bancos.

“Mais câmeras podem ser instaladas. Este número poderá chegar a 36 aparelhos, que poderão ser fixados em várias áreas de risco”, explica o major Giovani Livramento, comandante da 2ª Companhia do 5º Batalhão da PM de Tubarão. Até lá, a população continuará curiosa para saber o fim desta história.

Projeto estadual de instalação

• A discussão para a instalação de um sistema de monitoramento em Tubarão arrasta-se desde abril de 2006, quando o projeto de instalação de 36 câmeras foi apresentado no Conselho de Desenvolvimento Regional (CDR). Esta é a apenas uma parte da proposta de criação da Central Regional de Emergência, que concentrará as chamadas recebidas pelos números de emergência (190 – Polícia Militar, 192 – Samu e 193 – Corpo de Bombeiros).

• Pelo projeto inicial, o monitoramento seria feito pela PM, 24 horas por dia, em pontos centrais de Tubarão, além dos acessos ao município. A proposta de implantação da central de emergências e das câmeras de vigilância era orçada, em 2006, em R$ 2,4 milhões. A sugestão era que 71% do valor fosse do estado e os outros 29% da prefeitura de Tubarão.
Todos os equipamentos, entre câmeras, cabos de fibra ótica e monitores, já foram comprados. Falta adequar a Central de Vídeo Monitoramento, instalar e ficar de olho.

Vigilância por aí

• Braço do Norte
As negociações avançam para a instalação de câmeras de segurança no Vale do Braço. A ativação dos equipamentos faz parte de projetos dos Conselhos Municipais de Segurança (Consegs), apoiados por vereadores e prefeitos. A ideia é controlar o monitoramento de toda a região em apenas um ponto. As negociações estão mais adiantadas em Braço do Norte e São Ludgero. Outros três municípios que compõem o Vale também demonstram interesse. A estimativa é que sejam investidos aproximadamente R$ 200 mil, com instalação de dez câmeras.

• Laguna
Oito câmeras de vigilância devem ser instaladas nos principais prédios e praças públicas do Centro Histórico de Laguna ainda este ano. O projeto, elaborado pela secretaria de planejamento da prefeitura, recebeu a aprovação de recursos do Ministério da Justiça, no valor de R$ 400 mil, com contrapartida do município, no valor de R$ 75.868,00.