Rafael Andrade
Tubarão

Oito reclusos do prédio do semiaberto do novo complexo do Presídio Regional de Tubarão, no bairro Bom Pastor, começaram o trabalho de ressocialização da unidade. Eles terão oportunidade de garantir a remissão da pena. A cada três dias trabalhados, um é reduzido da condenação. Em um ano, por exemplo, três meses de reclusão são ‘perdoados’ pela justiça.

Há uma sala com espaço para até 20 presidiários no prédio. O local ainda passa por adequação. Todos trabalham para a empresa Thermosystem, do bairro Oficinas, em Tubarão – uma das maiores fabricantes de chuveiros eletrônicos do Brasil.
Além de reduzirem a pena, os presos ainda têm direito a salário. “O valor varia muito, dependendo da produção de cada um”, explica o diretor da unidade tubaronense, Deiveison Querino Batista.

Nos primeiros dias de trabalho, a Thermosystem disponibilizou chuveiros usados para o grupo fazer uma espécie de reciclagem da peças. Após este processo de adaptação, os presos começam a fabricar peças para os chuveiros novos.

“É uma oportunidade que me deram, agarrei e não vou largar tão cedo. Vai me ajudar muito a reduzir a pena, a auxiliar a minha família com o pouquinho de dinheiro que conseguir e aprender uma nova profissão”, comemora um detento de 29 anos, condenado por tráfico de drogas a oito anos e seis meses em regime fechado – já cumpriu quase quatro anos.

“E não é apenas no semiaberto que pretendemos incluir a ressocilização. No prédio do regime provisório, muitos detentos deverão receber a oportunidade e trabalhar com a produção de grampos para roupas”, antecipa Deiveison.

A conclusão do novo presídio é prevista para o início de março do próximo ano.

Mãos à obra
Doze dos 26 presidiários que já estão acomodados nos alojamentos do prédio do regime semiaberto do novo Presídio Regional de Tubarão aguardam uma oportunidade de ressocialização. Uma sugestão foi levantada no mês passado pela direção do presídio, pelo Departamento de Administração Prisional (Deap) e pela Construtora Brighenti, responsável pela obra do prédio do regime provisório – que tem capacidade para 288 detentos. “Vamos pedir ao juiz de execução penal da comarca, Elleston Canalli, para avaliar a possibilidade de liberar cinco presos para auxiliarem no acabamento da obra”, informa o diretor da unidade carcerária, Deiveison Querino. O grupo deve receber o direito somente após o retorno da recesso de fim de ano do judiciário catarinense, no próximo mês.

6 detentos foram transferidos para a nova ala do regime semiaberto do Presídio Regional de Tubarão, no bairro Bom Pastor, segunda-feira. Agora, o local está com 26 reclusos – tem capacidade para 120. Destes, seis têm emprego fixo fora da instituição, oito trabalham no local e os demais aguardam um rodízio de vagas de trabalho. Mais quatro presos serão transferidos esta semana.