A Polícia Civil prendeu o casal suspeito de matar dois filhos com injeção de insulina. Eles também respondem por tentativa de homicídio envolvendo outras duas crianças. 

O caso somente foi descoberto depois que os suspeitos, de 27 e 34 anos, levaram um dos filhos para o hospital com suspeita de hiperinsulinismo congênito – uma disfunção no pâncreas, quando o órgão produz muita insulina. À época, os pais chegaram a fazer campanha em redes sociais pedindo ajuda para o tratamento dos filhos. Eles também acionaram a Justiça contra o Governo do Distrito Federal alegando falta de medicamento. 

Desconfiado de que o paciente estava recebendo superdosagem de remédios, o médico da unidade de saúde na qual a criança estava em tratamento acionou a polícia. Após exames realizados no Instituto de Medicina Legal (IML) e na Universidade de Brasília (UnB), ficou constatado que os pais injetavam o medicamento nos filhos sem necessidade. 

Em outubro de 2017, os suspeitos chegaram a perder a guarda das crianças e o caso passou a ser investigado pela Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA). A Polícia Civil encontrou uma seringa escondida nas partes íntimas da suspeita, quando ela ainda acompanhava um dos dois filhos internado devido a superdosagem de medicamento. 

Segundo informações da Polícia Civil, o casal estava foragido desde fevereiro deste ano, quando foi decretada a prisão preventiva. A dupla, de acordo com a polícia, responde por dois homicídios consumados e duas tentativas de homicídio.

Agora, o casal está preso na carceragem da Polícia Civil do Distrito Federal.