Tubarão

Ontem, no início da manhã, uma operação Pente Fino objetivava o recolhimento de material proibido no Presídio Regional de Tubarão. Porém, segundo o diretor Ricardo Welausen, a informação teria vazado aos detentos. “A intenção era revistá-los de surpresa. Infelizmente, a maioria soube da operação – não sei como – e teve tempo para esconder ou desfazer dos produtos ilegais como celulares, drogas e facas”, lamenta Ricardo.

A Polícia Militar apoiou a operação, solicitada pela gerência do presídio. A ação iniciou às 6h15min e terminou próximo às 10 horas. Ao fim das revistas, poucos estiletes, materiais cortantes e um reator para carregar celular foi apreendido.
Ricardo reuniu um grupo de sete agentes penitenciários e a imprensa. Ele declarou estar sobrecarregado em apenas 72 horas à frente da instituição. Também mencionou o caso dos agentes detidos na praia do Rosa, na semana passada. “A administração anterior deixou o local fora de controle. Por isso os afastamentos determinados pelo Departamento de Administração Prisional (Deap). Em três meses, este local foi transformado negativamente”, relata.

Ricardo desabafou e comparou a atual situação com uma bomba relógio. “É lastimável o que presenciei durante a operação. A maioria dos 241 detentos faltou com respeito com os policiais e agentes. Durante os cinco anos em que trabalhei aqui, não havia este tipo de tratamento. A direção anterior deixou este presídio uma bomba prestes a explodir. Se eu não conseguir mudar, saio nos próximos dias”, garante Ricardo.

Saídas temporárias
e indultos de Natal

Vinte dos 40 presos da ala semiaberta do Presídio Regional de Tubarão já conquistaram o direito à saída temporária e/ou ao indulto de Natal, concedidos ontem pelo juiz criminal Elleston Canali.
O diretor Ricardo Welausen antecipa que outras saídas foram solicitadas ao magistrado.

“É direito do detendo, os indultos e saídas. Talvez, devido a isso eles estão tão agitados. Natal e Ano-Novo são os feriados preferidos pelos apenados para deixar o presídio”, informa Ricardo.
A saída temporária é de sete dias. Os presos do semiaberto têm direito de sair cinco vezes por ano. Já o indulto, é o perdão da pena.