Rafael Andrade
Tubarão

O diretor do Presídio Regional de Tubarão, Ricardo Welausen, oficializou seu pedido para deixar a gerência da instituição prisional junto ao Departamento de Administração Penal (Deap).
“Já fui até Florianópolis e conversei com o diretor do Deap (Nilson Júlio da Silva). Estou no comando do presídio porque a necessidade pede. Ele já procura outra pessoa para me substituir. Porém, com os recessos de fim de ano, acredito que só em janeiro eu consiga sair”, explica Ricardo.

Ele assumiu a coordenação do presídio no sábado passado, após o afastamento do ex-diretor, Fabrício Buss de Medeiros, que é investigado por ter autorizado o uso indevido do carro oficial da instituição.
“Já dei minha contribuição nos cinco anos que comandei o presídio. Há muitos agentes competentes em Tubarão que podem assumir o cargo e fazer um trabalho melhor que o meu”, acredita Ricardo.

Agente de Tubarão continua detida

A agente penitenciária de Tubarão e as oito pessoas detidas em uma casa de prostituição de Gravatal, continuam presos no Presídio Santa Augusta, em Criciúma. O grupo é investigado por envolvimento com o tráfico de drogas.
Na quarta-feira, 50 policiais e 12 delegados da região deflagraram a operação Quinta Coluna. Segundo a Polícia Civil, os acusados são suspeitos de integrar uma das principais quadrilhas de tráfico de drogas que agia entre Imbituba e Passo de Torres.

“Todos os detidos já foram ouvidos e a investigação segue. Pode haver outros envolvidos”, resume o delegado responsável pelo caso, Ulysses Gabriel, da Central de Polícia civil de Criciúma. Sete dos nove integrantes da quadrilha foram detidos na casa de prostituição.

Um casal, proprietários do lugar – eles também foram presos -, pode ser transferido ao Presídio Regional de Tubarão ainda hoje. A agente penitenciária detida na operação Quinta Coluna não é a mesma servidora apreendida há uma semana, no caso de Imbituba, quando o carro oficial do Presídio de Tubarão foi utilizado para levar dois detentos à praia do Rosa para buscar um computador para a instituição.