Tubarão

Três buchas de maconha, um celular e dois objetos perfurantes utilizados como facas foram apreendidos em quatro celas do Presídio Regional de Tubarão durante um pente fino, ontem de manhã, por volta das 8 horas.

Dois presos assumiram a posse dos objetos. Um inquérito deve ser instaurado hoje na Polícia Civil. A diretoria da unidade acredita que familiares mulheres dos detentos entraram com o material introduzido na vagina, o que dificulta na hora da revista.

“Tínhamos as informações, montamos a operação e fomos conferir. Demos êxito em mais esta revista. Continuamos de olho. Não toleramos nada fora do normal no presídio e conferimos todas as denúncias minuciosamente”, relata o diretor do presídio, Deiveison Querino Batista.

No total, 35 detentos foram revistados nestas quatro celas por 14 agentes penitenciários e quatro policiais militares. Todos são da ala chamada galeria, onde ficam presidiários em regime fechado e os provisórios. Na galeria, também ficam os líderes de quadrilhas e chefões do tráfico de drogas.

As revistas a familiares em Tubarão estão dentro do protocolo e são executadas por agentes penitenciários treinados. As agentes, porém, ainda não podem fazer o toque.

Os ânimos no Presídio Regional de Tubarão ficaram mais tranquilos desde que o novo prédio da unidade prisional começou a ser construído, no bairro Bom Pastor. O local terá capacidade para 368 homens. Atualmente, 323 reclusos ocupam as celas do atual imóvel, que tem capacidade para 60 detentos.

Foragido deve ter pulado o muro
O detento Emerson Serafin Mendes, 31 anos (foto), que fugiu do Presídio Regional de Tubarão domingo, não saiu pela porta da frente. O diretor da unidade prisional, Deiveison Querino Batista, explica exatamente quais foram os passos de Emerson, que trabalhava na padaria do presídio.

“Ele deve ter planejado a fuga há muito tempo. Era um dia de visita. Havia muitos familiares de reclusos. Emerson assava os pães quando aproveitou a movimentação e conseguiu abrir uma porta com um garfo. Ele ganhou acesso a uma sala de revista, depois à portaria e deve ter pulado o muro ou saído por um forro e depois pelo telhado. Mas o que tudo indica é que ele tenha pulado o muro e ganhado a ‘liberdade’”, explica Deiveison.

Todos os agentes faziam a segurança dos locais de visitas e não conseguiram ver a ação do fugitivo, pois algumas viaturas tampavam a visão ao pátio principal do presídio.

Todas as forças policiais da região estão atentas para tentar localizar Emerson. Ele estava preso desde fevereiro, por tráfico de drogas.