Tubarão

O mutirão carcerário que ocorre na próxima semana, no Presídio Regional de Tubarão, poderá minimizar a superlotação. Nesta sexta-feira à noite, 323 reclusos ocupavam as apertadas celas da unidade.

Na manhã desta segunda-feira, o juiz Elleston Lissandro Canali, corregedor do presídio, receberá juízes das comarcas de Armazém, Braço do Norte, Imbituba, Laguna, Jaguaruna e Tubarão, além de um representante do Centro de Execuções Penais do Tribunal de Justiça (TJ) de Santa Catarina.

Além dos pouco mais de dez magistrados, cinco promotores e dezenas de advogados devem participar do mutirão. “Este tipo de ação auxilia muito na manutenção de um bom serviço na instituição”, reitera o diretor do presídio, Deiveison Querino Batista.

Ele atualizou toda a documentação administrativa do local antes do mutirão carcerário. Os juristas devem ouvir os detentos nas dependências da unidade carcerária, no bairro Humaitá de Cima.

A esperança de alguns familiares de presos é que todos os processos sejam revistos. Alguns reclusos podem ter direito a progressão de regime e, talvez, a liberdade. O presídio tem capacidade para 60 presos e está com a capacidade extrapolada há muitos anos.

O novo prédio deve ficar pronto até o fim do ano, no bairro Bom Pastor. Terá capacidade para 368 presidiários – 120 vagas disponíveis para detentos do regime semiaberto.