Zahyra Mattar
Tubarão

A comissão Pró-Presídio Regional reuniu-se mais uma vez ontem para deliberar sobre a compra, autorizada pelo governador Luiz Henrique da Silveira (PMDB) desde a semana passada, do terreno para a construção do novo prédio do Presídio Regional de Tubarão. Mais uma área de terra foi vistoriada, na localidade de Mato Alto, em Congonhas.

Assim como as outras três observadas segunda-feira (São Cristóvão, Congonhas e Sombrio), os terrenos ficam em locais totalmente ermos e são considerados bons ou passíveis de adaptações para a construção do prédio. As exigências básicas feitas pelos técnicos do Departamento de Administração Prisional (Deap) e da secretaria de segurança pública do estado (SSP), como bom acesso, instalações (ou facilidade para isso) de água e luz existem em todos os terrenos.

O mais importante, já que o próprio governador abriu mão de doações e afins, é que todos os locais pertencem a um único proprietário e há a intenção, por parte de todos eles, de vender a terra.

“Pagaremos o valor de mercado. Já contactamos o setor imobiliário para que seja feita uma avaliação”, adianta o secretário regional César Damiani. É previsto que amanhã os técnicos do Deap e da SSP estejam em Tubarão para vistoriar os quatro terrenos e analisar qual deles tem as melhores características para a construção do prédio.

A obra custará aproximadamente R$ 3,5 milhões e já está reservada dentro do orçamento do estado para que não haja protelação ou qualquer tipo de atraso. “A construção do novo presídio tornou-se uma prioridade quase que pessoal do governador e do secretário (de segurança do estado) Ronaldo Benedet. E a obra vai sair do papel muito breve”, garante Damiani.